Viagens

Pedacinho de céu no sul do Brasil

O nome do barzinho da Dona Zenaide “Pedacinho do Céu” traduz exatamente o que sinto, sempre que chego ao Balneário dos Açores na Ilha de Santa Catarina.

O Balneário fica localizado entre duas praias. Desço uma pequena duna e, caminhando na areia firme e clara durante cerca de uma hora, percorro as praias Solidão, Açores e Pântano do Sul. De um lado, o cenário é um vasto vale verdejante com morros elevados cobertos de mata atlântica, do outro, o azul do mar pontilhado, ao longe, pelas Três Irmãs, pequenas ilhotas desabitadas.

A Solidão, ou “Praia do Rio das Pacas” (o nome original), é a última praia do sul da ilha aonde se pode chegar de carro. Eu prefiro caminhar pela areia e chegar lá, depois de subir um morro baixo, e ir fazendo pequenas paragens para admirar a bela paisagem; quando a maré está muito vazia, caminha-se pela praia rodeando as rochas que a separam do Balneário dos Açores.

Do lado oposto, fica a localidade do Pântano do Sul fundada pelos “manezinhos” açorianos que, nesse cantinho, se fixaram há mais de duzentos anos. Aí caçaram baleias e hoje ainda conserva o seu modo de vida ligado à pesca: da tainha, do peixe-espada, da lula e da garoupa. Gosto sempre de ver chegar os barcos de pesca e parar, curiosa, para descobrir que peixe foi apanhado pelos homens nesse dia. É sempre com respeito que observo o esforço físico de puxar os barcos, trabalho de equipa cujo ritmo é necessariamente lento.

A praia dos Açores é o meu pedacinho de céu. Por ser moroso o acesso a estas praias do sul e a água do mar menos quente do que no norte da Ilha, não há muitos turistas e a praia é sossegada e limpa. Não há bares, altifalantes a debitar música e pregões de vendedores. A tranquilidade deste recanto é apenas perturbada pelas risadas de crianças pulando nas ondas.

Observo os pescadores solitários na pesca artesanal da tarrafa que, durante horas, aguentam firmes, observando as águas imersos até à cintura, de rede na mão, à procura de peixe. Geralmente pescam pouco e eu interrogo-me sobre a satisfação que devem sentir. Meditam? Ou é o olhar contínuo sobre a cor azul das águas que lhes traz tranquilidade e assim os recompensa?

Quando caminho, encontro garças brancas, sempre solitárias, à beira da praia. Pescam o seu alimento entre os cardumes de peixe que brilham ao sol e assim se denunciam.

É surpreendente, para algumas pessoas, ouvir falar dos Açores na costa de Santa Catarina. Na verdade, a explicação é simples.

Foi na primeira metade do século XVIII que o rei João V incentivou 6.000 casais açorianos a virem povoar Santa Catarina e o Rio Grande do Sul. As promessas de terras, sementes e ferramentas de cultivo foram um enorme estímulo para enfrentar uma viagem tão longa e perigosa. Os primeiros 600 povoadores chegaram a Santa Catarina em 1748. Para impedir os espanhóis de tomarem conta destas terras, interessava à coroa portuguesa povoar a Ilha e a costa catarinense.

Passados mais de 300 anos sobre o povoamento (a que depois se juntaram italianos e alemães), é admirável ouvir o carinho com que muitos catarinenses se referem às suas origens açorianas resgatando o património material e imaterial que está ligado aos Açores, em particular à Ilha Terceira, donde veio a maioria.

O mar Atlântico, que une Portugal e Brasil, criou algo forte que aproxima portugueses e brasileiros muito para além da língua, – uma forma de estar e de sentir.

Há mais de dez anos que tive a sorte de descobrir este pedacinho de céu – só espero ter saúde e energia para poder voltar, durante muitos invernos canadianos, e continuar a desfrutar da beleza e tranquilidade que este lugar oferece.

Manuela Marujo
Imagens cedidas por Manuela Marujo

Gostou de ler sobre esta viagem?

Contribua fazendo um donativo (“tax credit donation”) para uma viagem de estudante da Universidade de Toronto a um país lusófono. Clique no link abaixo e selecione THE MANUELA MARUJO TRAVEL SCHOLARSHIP

https://donate.utoronto.ca/give/show/79

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER