Viagens

Ilha de Moçambique

Ilha de Moçambique

Manuela Marujo

Estive a lecionar no sul de Angola de 1972- 1974. Na primeira oportunidade que me surgiu, decidi ir até à costa leste do continente africano para conhecer Moçambique. Quando era criança, o meu pai tinha-me contado que, em 1498, Vasco da Gama, o navegador alentejano de Sines, tinha descoberto uma Ilha ao norte deMoçambique, na sua viagem para a Índia. Na minha imaginação, esse lugar seria deslumbrante, com praias de águas transparentes e onde, no fundo do mar, abundariam enormes búzios de formas raras.

Nas férias grandes de 1974, viajei até à capital Lourenço Marques (hoje Maputo). Tinha uma amiga em Moçambique, cuja família me recebeu com grande hospitalidade. O pai era comandante da marinha e moravam perto do elegante Hotel Polana. Era nesse lugar privilegiado que frequentávamos a piscina, o bar, o restaurante e donde saíamos para passeios pela cidade com amigos jovens, a maioria oficiais da marinha. Em plena guerra colonial, não era visível, em Maputo, qualquer indício do conflito armado. A nossa ignorância sobre a realidade da guerra era chocante. Hoje sabemos que havia jovens da nossa idade a sacrificar as suas vidas enquanto nós, inconscientes do que se passava na mata, nos divertíamos.

Encantou-me essa cidade de edifícios modernos, avenidas amplas e costa com praias de água calma e convidativa. Notava-se influência da vizinha África do Sul, por exemplo, no hábito britânico de tomar chá em salões chiques, frequentados por pessoas muito requintadas. Quando comuniquei aos meus amigos que o meu plano era ir à Ilha, não ficaram muito entusiasmados, mas ajudaram-me a planear a viagem. Nessa época, as viagens de avião eram, de longe, as mais seguras. Comprei viagem para Nampula, via Beira. De Nampula, reservei outro voo, num avião bem pequeno, para o aeroporto da Ilha. Dali, era necessário atravessar a ponte de “rickshaw” ou a pé.

Foi emocionante conhecer a Ilha de Moçambique, a capital da colónia até 1898, considerada património da humanidade desde 1991. Com pouco mais de 3km de extensão, a Ilha estava dividida em três partes distintas: a norte, a colonial com a Fortaleza de S. Sebastião, o Palácio doGoverno e a Igreja do Baluarte; no centro, a árabe com mesquita e lojas indianas; a sul, a parte indígena com as casas macuti, com telhados de folhas espalmadas de coqueiro.

Alojada sozinha numa pousada sem fechadura no quarto, coloquei uma cómoda contra a porta, na primeira noite mas, receosa como estava, dormi sobressaltada. No dia seguinte, apercebi-me que as pessoas eram hospitaleiras, e se vivia em harmonia entre brancos, muçulmanos e nativos. Ao fi m de dois dias, já encontrava na rua caras conhecidas que me cumprimentavam. Caminhei pelo bairro indígena, e surpreendi-me com o costume das mulheres macua maquilharem as suas caras de branco; da mesquita ouvia o chamamento para a oração. Contudo, foi junto à fortaleza de São Sebastião, ocupada pelo exército português, que tive uma surpresa extraordinária. Ouvi chamar o meu nome e, a custo acreditei ver, correr para mim um antigo colega de Faculdade, de um grupo de rapazes em uniforme, que cumpriam o serviço militar na colónia. A alegria do encontro e o abraço de amizade que trocámos, sob tantos olhares de estranheza, ficaram para sempre marcados no meu coração.

Obtive, na Ilha deMoçambique, algumas conchas invulgares, das recolhidas pelos pescadores e vendidas na praia a preços irrisórios. A minha vida deu muitas voltas, mas continuo a utilizar, como objeto decorativo, um dos búzios moçambicanos que me faz evocar essa viagem memorável.

Gostou de ler sobre esta viagem? Contribua fazendo um donativo (“tax credit donation”) para uma viagem de estudante da Universidade de Toronto a um país lusófono.

Visite o link abaixo e selecione

Casas Macuti
Transporte da Ilha

THE MANUELA MARUJO TRAVEL SCHOLARSHIP

www.donate.utoronto.ca/give/show/79

Redes Sociais - Comentários

Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER

Close
Close