Viagens

Florianópolis em festa de Carnaval

A lembrança mais antiga que guardo de Carnaval é ver o meu pai mascarado. Funcionário público da Casa do Povo, numa pequena aldeia alentejana, no dia-a-dia, o seu porte austero inspirava respeito, receio até, e não era pessoa de brincadeiras. Eu devia ter cinco ou seis anos e arregalei os olhos quando vi o meu pai mascarado, de cabeleira longa, vassoura voadora – uma bruxinha simpática.

Nesse primeiro Carnaval de que me lembro, e noutros que se seguiram, o meu pai transformava-se numa pessoa diferente: rindo e brincando, revelava-nos um aspeto desconhecido da sua personalidade. Ele e outros homens da aldeia tinham a liberdade de se divertirem usando roupas de mulher, sendo essa prática aceite com mais humor do que crítica.

O “Bloco dos sujos”, que tem lugar no sábado de Carnaval de Florianópolis, traz-me à memória essas imagens da minha infância. Desfilam homens em trajes femininos, maquilhados, de peruca e saltos altos, mas deixando bem visível a barba, bem como as pernas e axilas peludas. Segundo explica o filósofo brasileiro L. Karnal, a inversão de género é uma necessidade humana de subverter a ordem estabelecida. Simboliza a irreverência, a liberdade e sentido de folia. Muitos saem acompanhados de suas mulheres ou namoradas, em grupos barulhentos e alegres, divertindo-se e fazendo sorrir quem os vê passar assim trajados.

Milhares de pessoas concentram-se junto à catedral, na famosa Praça XV, mas também se juntam pelas ruas do centro da cidade movimentando os corpos, ao som de música exageradamente alta. São consumidos litros e litros de água fresca, cachaça e, em especial, muita cerveja. O calor neste último sábado atingiu quase 40 graus. Isso em nada mudou a festa em que participaram famílias com filhos pequenos, avós e netos comungando da mesma alegria. No entanto, são as multidões de jovens que surpreendem pela sua vivacidade, amabilidade e jovialidade. Não vi qualquer sinal de policiamento e não me senti insegura em nenhum momento. Segundo informação oficial, estiveram no Centro 150.000 pessoas.

É do conhecimento geral que, no Brasil, o Carnaval se festeja com uma exuberância única. O Entrudo português foi trazido para o Brasil e reinventado. O Rio de Janeiro é a cidade-símbolo da maior festa popular do mundo, mas também têm fama as da Bahia, Pernambuco, São Paulo e de outras cidades.

Florianópolis, a capital do Estado de Santa Catarina, não é exceção e os festejos são bem concorridos. As festas no centro da cidade e nas freguesias da Ilha e continente atraem os habitantes e milhares de turistas. Começa com o Enterro da Tristeza na quinta-feira que precede o Carnaval e prolonga-se até à quarta-feira de cinzas. Os desfiles dos blocos carnavalescos, na sexta-feira, pelos pontos principais do centro, são a maior atração e, desse modo, anunciam o que irá ter lugar na passarela Nego Querido, no sábado à noite até de madrugada. O bloco “Berbigão de Boca” é tradicionalmente aquele que “abre” a festa acompanhado pelo “Bloco dos bonecos gigantes”. Na passarela, as escolas de samba desfilam durante horas. Impressiona-me ver, no fim do espetáculo, centenas de adereços coloridos abandonados, um desperdício que me entristece…

Prefiro deslocar-me até uma das pequenas freguesias e observar a alegria com que o povo festeja. Já assisti às festas de Carnaval no Pântano do Sul, na Armação, em Santo António de Lisboa e no Ribeirão da Ilha. Crianças, jovens, e pessoas de todas as idades cantam, dançam e usam fantasias coloridas. Há muita música, espetáculos com artistas locais ou convidados. Por fazer calor e o espírito ser de festa, bebe-se demasiado álcool nas barraquinhas ao ar livre e o comportamento de alguns ultrapassa as raias da alegria. Ninguém parece ficar chocado com estes excessos, que revelam um erotismo expresso e uma liberalidade de costumes, cumprindo-se assim o velho ditado: “É Carnaval, ninguém leva a mal”.

This slideshow requires JavaScript.

Manuela Marujo

Imagens cedidas por Manuela Marujo

Gostou de ler sobre esta viagem?

Contribua fazendo um donativo (“tax credit donation”) para uma viagem de estudante da Universidade de Toronto a um país lusófono. Clique no link abaixo e selecione THE MANUELA MARUJO TRAVEL SCHOLARSHIP

https://donate.utoronto.ca/give/show/79


Autor(a):
Fonte:

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close