Saúde & Bem-estar

“Mãe, pai?!… veio-me o período!”

Puberdade é sinónimo de mudanças significativas em todos os jovens – não só físicas como também hormonais e emocionais. Apesar de todo este processo ser normal e comum a todos os seres humanos, nem sempre é gerido e acolhido da melhor forma por parte dos adolescentes. É importante, portanto, desmistificar todas as alterações próprias da puberdade, divulgar informação e, consequentemente, criar um maior conforto relativamente ao tema. 

Hoje vamos focar-nos especialmente nas raparigas (que são quem, normalmente, sente mais esta mudança): neste período, começam a ser confrontados com palavras como “menstruação”, “período”, “ciclo menstrual”, “reprodução”… Apesar do tema ser abordado em contexto escolar, tal informação tem-se revelado muitas vezes insuficiente e as raparigas continuam a ter muitas dúvidas e medos associados a esta nova fase das suas vidas.

Assim, é importante que os pais também façam o “trabalho de casa” – só estes poderão saber, de forma mais próxima e aprofundada, quais os conceitos que as suas filhas necessitam ver esclarecidos.

A menstruação é muitas vezes associada, por parte das jovens, a algo chato, que provoca muitas dores e que limita a prática de certas atividades – e tudo isto só alimenta o “medo”.  Considerada por muitos pais uma das “conversas difíceis” que têm de ter com as suas meninas, a menstruação não tem de ser (e não é, na verdade!) um bicho de sete cabeças! Apesar de ser, normalmente, a mãe a responsável por abordar o tema tal não significa que o pai não o possa também fazer.

Para além disso, não existe necessidade de esperar pela primeira menstruação para falar sobre o tema – antecipem-se!

Vamos então ao que interessa… Eis algumas das dúvidas que podem surgir:

“O que é a menstruação?”

A menstruação é definida, muito frequentemente, por ser uma “perda de sangue”. Acontece que não é bem isso! O que acontece é que o óvulo, presente numa das trompas de Falópio, não é fecundado por nenhum espermatozoide. Assim, o endométrio, destinado a receber o óvulo fecundado, já não é, assim, necessário e desprende-se. É essa descamação, aliada a uma pequena quantidade de sangue, que origina o fluxo menstrual ou, se preferirem, o período.

Assim sendo, a menstruação é uma mistura de tecidos, glândulas, sangue e outras estruturas que faziam parte da parede do endométrio. É por isso que o sangramento da menstruação não é composto de sangue vivo e líquido, sendo bem diferente dos outros tipos de sangramento que estamos habituados a ver.

“Quando vou ter o período pela primeira vez?”

Por norma a primeira menstruação ocorre entre os 12 e os 13 anos, mas também é possível acontecer mais cedo ou mais tarde – entre os 9 e os 15 anos.

Para além disso, a jovem pode ter a sua primeira menstruação e ela não ser regular nos meses seguintes: por vezes, são necessários um a dois anos para que haja essa regularização.

“Quanto tempo dura a menstruação?”

Normalmente o período dura entre três a cinco dias, embora dependa sempre do ciclo menstrual de cada mulher (período de tempo entre o primeiro dia de uma menstruação até ao primeiro dia da menstruação seguinte) – este dura, normalmente, entre 28 e 35 dias, mas pode, naturalmente, variar.

“O período provoca dores?”

Mais uma questão em que a resposta é sempre relativa. Há mulheres que apresentam muitos sintomas associados à menstruação, outras apenas alguns e outras não sentem nenhuns. Os sintomas podem incluir, por exemplo, dores de cabeça, dores abdominais, alterações de humor, barriga inchada e fadiga, e surgem, normalmente, alguns dias antes do início do período e que vão desaparecendo com o passar dos dias, podendo até, em casos mais graves, serem aconselhados determinados medicamento para alívio dos sintomas.

“Posso fazer exercício físico?”

A resposta é simples: não só pode como, em muitos casos, deve. O exercício é apontado como uma das melhores formas de fazer com que este período do mês seja menos doloroso já que a prática do mesmo liberta endorfinas que, para além de serem conhecidas como as “hormonas da felicidade”, também são vistas como um poderoso “analgésico”, provocando um maior relaxamento muscular.

“Posso usar tampão?”

Mesmo não tendo iniciado a vida sexual, não existem contraindicações no uso de tampões – no entanto, devem usá-lo com cuidado e apenas quando for estritamente necessário. Nunca, em circunstância alguma, se deve dormir com um tampão, visto que existe um grande risco de proliferação de bactérias e infeção ginecológica.

Caso existam dúvidas a que não saibam responder, o melhor será sempre recorrer a um ginecologista.

Inês Barbosa

Redes Sociais - Comentários

Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW

Close
Close