Saúde & Bem-estar

Aqui e agora: desenvolvendo a atenção plena

É comum a muita gente, ouso dizer, a maioria das pessoas, viver entre um aprisionamento ao passado e uma preocupação com o futuro. E o tempo presente? Fica num canto esquecido da nossa alma, como se não existisse.

Se imaginarmos uma linha do tempo, estamos no centro de uma reta onde numa extremidade encontra-se o passado e na extremidade oposta, o futuro. O que está à nossa esquerda já passou, não há como voltar atrás. E o que está à nossa direita não há como ter certeza do que acontecerá. Podemos apenas imaginar e desejar que o futuro seja assim ou assado, mas, na verdade, não temos nenhum controle sobre ele.

Aqui e agora:  desenvolvendo  a atenção plena-toronto-mileniostadium
Créditos: Unsplash

Esse modo de viver, entre dois pontos irreais, nos impede de vivenciar plenamente o aqui e agora, o real. Dessa forma, não percebemos e não valorizamos o que está acontecendo no momento atual. Podemos desenvolver, com isso, comportamentos depressivos ligados ao passado e ansiosos com a preocupação constante com o futuro.

Portanto, gostaria de propor como reflexão na coluna desta semana a importância de fazermos uma análise de como estamos vivendo. Presos a tempos que não existem? Alheios ao tempo existente e, consequentemente, sujeitos a desordens psíquicas?

E também sugerir pequenas atitudes que podem exercitar o foco da nossa atenção no momento presente, sem devaneios que apenas nos desviam do que realmente importa, que é o aqui e agora.

Por exemplo, quando estiver saboreando uma comida, evite pensar na reunião de amanhã. Aproveite cada mordida da sua refeição, sinta na língua a mistura de sabores e temperos, identifique texturas, exercite seu paladar!

Quando estiver numa conversa com um amigo, preste atenção no que ele tem a dizer, entenda o que ele está manifestando para você, o ato de ouvir é um ato de amor. É tão ruim quando você está falando com alguém e aquela pessoa não está presente com você, não é mesmo? Por isso, ouça!

Quando estiver num momento feliz, evite pensar que isso terá um fim, aproveite essa oportunidade! Viva o momento. E quando estiver num momento triste, não anseie pelo término do mesmo a qualquer custo, tente entender o ocorrido. A ideia é colocar atenção total na atividade que você estiver fazendo ou vivenciando, qualquer que seja ela.

• Leia também: Ordem dos Psicólogos tem novo site sobre saúde mental.

Não crie expectativa. Quando criamos expectativa, estamos nos desviando do presente e nos ligando ao futuro.  Faça o que tem que ser feito. Quando simplesmente fazemos a nossa parte com a certeza de que estamos fazendo o melhor, a apreensão e o desejo por aquilo se tornam cada vez menores e, por consequência, a expectativa também.

A minha proposta é pura e simplesmente viver a vida de forma consciente em relação aos tempos passado, presente e futuro. Compreender a importância do passado sem ficar preso a ele. Assim como, o futuro não dominar as nossas preocupações. Quando fazemos isso, desenvolvemos a atenção plena e a mágica acontece: ficamos mais relaxados, diminuímos a ansiedade, nos tornamos menos melancólicos e curtimos mais a vida. 

Quanto mais visualizarmos e entendermos onde estamos situados nessa linha do tempo, mais nos conhecemos. E, sem dúvida, o autoconhecimento nos torna condutores mais capacitados da nossa própria vida.

Adriana Marques/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER