FYIBlog

Maior Tubarão já existente

Maior Tubarão Já Existente-US-mileniostadium

Em 2016, a mais assustadora entre as criaturas marinhas que habitaram os oceanos primitivos da Terra recebeu o nome científico de Otodus megalodon, mas desde a descoberta dos dentes fossilizados desse tubarão gigante, em 1875, o seu tamanho jamais havia sido cientificamente determinado – até agora. Um grupo de paleontobiólogos determinou as dimensões daquele que é, carinhosamente, chamado de “Meg” por guionistas de Hollywood.

O estudo, publicado na revista Scientific Reports, mostrou que o icónico tubarão tinha entre 15 e 18 metros de comprimento e pesava 45 toneladas. É considerado estatisticamente um ponto fora da curva.

“Ainda é um tubarão impressionantemente grande.  O megalodon é um outlier, porque quase todos os outros tubarões não planctívoros [animais que se alimentam de plâncton] têm um limite de tamanho geral de sete metros. Apenas algumas espécies modernas, como o tubarão-baleia ou o tubarão-frade, se aproximam desse tamanho”, explicou o paleobiólogo da Universidade DePaul em Chicago Kenshu Shimada.

Mais ou menos extinto

O megalodonte pertence à ordem dos lamniformes, grupo que inclui animais com duas barbatanas dorsais e uma anal, cinco fendas branquiais, olhos sem membrana e boca estendendo-se para além do nível dos olhos.

 

Maior Tubarão Já Existente-US-mileniostadium
“Meg”, comparado com os seus parentes, é extraordinariamente maior.

 

Para determinar o seu tamanho, os investigadores usaram como base as medidas de espécies atuais (a biologia das formas extintas é mal compreendida; por serem cartilaginosos, o que se sabe deles provém de dentes fossilizados).

Maior Tubarão Já Existente-US-mileniostadium
Um dente de O. megalodon (à esquerda), comparado com um de tubarão branco (à direita).

“Os resultados sugerem que um O. megalodon tinha, em valores aproximados, uma cabeça de 4,65 m de comprimento, uma barbatana dorsal de 1,62 m de altura e uma cauda de 3,85 m. Análises morfométricas sugerem ainda que as suas barbatanas dorsal e caudal foram adaptadas para uma locomoção predatória rápida e longos períodos de natação”, diz o estudo.

Em seis das 10 mil simulações, a pesquisa mostrou uma chance de 1% de existirem megalodontes vivos ainda hoje.

Kika/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER