Ambiente

Baterias e pilhas – resíduos tóxicos

Terra Viva

Baterias e pilhas elétricas em fim de vida são dos maiores flagelos em termos ambientais.

Qualquer brinquedo, relógio, balança, telemóvel, computador e um sem número de objetos eletrónicos ou elétricos usam baterias e pilhas, passando também por aparelhos maiores como os automóveis. Relativamente aos objetos pequenos desprezamos ou desconhecemos a perigosidade das baterias e pilhas. Aparentemente são inofensivos, mas estes dispositivos são dos mais poluentes que podemos utilizar. Desde a sua produção, passando pela sua composição e terminando no seu fim de vida, ou seja, rejeição e eliminação.

Vejamos… a composição de uma pilha comum poderá conter: mercúrio, chumbo, cádmio, hidróxido de potássio, hidróxido de sódio, dióxido de manganês, cloreto de amónia, zinco, cobre, sulfato de zinco, lítio, etc. Quase todas as substâncias que referi, em pequeníssimas quantidades, são autênticos venenos para o homem e para quase todos os seres vivos. Estes metais e substâncias são altamente tóxicos podendo provocar cancro e alterações genéticas.

O corpo humano não consegue tratar e expelir a maior parte destas substâncias que se vão acumulando ao longo da vida. O chumbo, por exemplo, é cancerígeno e pode provocar doenças no sistema nervoso, as mais conhecidas são a Plumbémia e Saturnismo.

As baterias dos nossos telemóveis são altamente poluentes e a extração dos seus componentes a partir de terras raras é das que maior impacto têm ambientalmente.

É imperativo portanto direcionar as baterias e pilhas velhas para reciclagem – no Canadá basta aceder a www.call2recycle.ca e verificar como fazê-lo, todos os tipos de baterias e pilhas têm possibilidade de recolha para reciclagem. O primeiro passo porém parte de cada um de nós, separando estes resíduos, não os misturando com os outros lixos, de preferência ter uma pequena caixa de plástico ou contentor para o efeito, impermeável e com tampa para que não haja escorrências ou libertação de vapores.

Se optarmos por adquirir baterias e pilhas recarregáveis estamos já de alguma forma a poluir menos. As pequenas pilhas recarregáveis, à primeira vista, são bastante mais caras, mas lembre-se que vai usá-las dezenas ou centenas de vezes, compensando largamente o investimento. Por outro lado, por cada vez que puser as suas pilhas a carregar lembre-se que são menos algumas que estará a pôr no lixo.

No entanto, existem alternativas já muito antigas para evitar utilizar baterias e pilhas.
Ainda existem brinquedos e relógios que funcionam mecanicamente, aqueles a que vulgarmente chamamos de corda, existem também lanternas que funcionam com manivela ou dispositivo equivalente. Lembram-se dos carrinhos a corda e das caixinhas de música, por exemplo?

Comprar um brinquedo que funciona a corda ou mecanicamente é uma atitude ambientalmente correta e que fará a alegria de qualquer criança, além de que, atualmente, causará até algum espanto e terá o seu quê de inédito.
Há mais de 40 anos que existem relógios de pulso que funcionam apenas com o movimento do seu utilizador, conheço um relógio que trabalha certinho, sem corda e sem pilha e tão velho como eu.

As alternativas existem, somos nós como consumidores que ao escolhermos o que compramos podemos fazer a diferença. Assim, reduzindo os venenos que libertamos no ambiente e que também nos afetam, poderemos durante mais tempo, desfrutar da natureza com respeito e admiração.

Paulo Gil

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER

Close
Close