Ambiente

A importância das abelhas

Terra Viva

“Nada se assemelha à alma como a abelha. Esta voa de flor em flor, aquela de estrela em estrela. A abelha traz o mel como a alma traz a luz”  – Victor Hugo

As incríveis e incansáveis abelhas têm uma relação insubstituível com as plantas floridas desde há cerca de 30 milhões de anos. O seu papel no equilíbrio dos ecossistemas terrestres é fundamental. Uma única abelha pode visitar dezenas de milhares de flores num só dia. A polonização de milhões de plantas depende delas – sem elas, por exemplo as frutas, não existiriam como as conhecemos, nem em variedade, nem em qualidade, nem em quantidade. 90% das árvores de fruta dependem da polinização pelas abelhas.

O tempo de vida de uma abelha é de apenas 28 a 48 dias, excetuando a rainha que pode viver até cinco anos. As colmeias têm uma organização extraordinária e cada indivíduo ou grupos de indivíduos, tem tarefas bem definidas, porém ao contrário dos mamíferos a sua hierarquia não é piramidal mas sim esférica – a comunicação e informação é feita através de vibrações, as famosas danças das abelhas, sons e de troca substâncias químicas. O seu sistema de comunicação pode ser comparado às células de um corpo. O cérebro de uma abelha é minúsculo, no entanto tem uma capacidade enorme de memorização e quando regressada à colmeia, após identificação de um local com flores que seja de interesse, efetua uma frenética mas precisa dança, com a qual transmite às suas irmãs a localização exata onde elas se devem dirigir.

Cada colónia tem apenas uma rainha e pode ter entre 20 mil a 60 mil obreiras. Diz-se ser o único inseto que produz uma substância que serve de alimento ao Homem, o fantástico mel.

Desde há vários milhares de anos que o Homem pratica a apicultura, pinturas rupestres pré-históricas com oito mil a 10 mil anos assim o demonstram na gruta “Cueva de La Arana” em Valência, Espanha. No primeiro livro de medicina que se conhece, o “Papiro Ebers”, documento egípcio datado de 1550 A.C., são mencionadas 147 receitas que usam mel nas suas composições. Estão identificadas mais de 30 mil espécies de abelhas sendo a maior parte solitárias. Apenas cerca de 30 espécies foram usadas pelo Homem para a produção de mel. Além do mel, o Homem aproveita também a geleia real e a própolis, essencialmente na indústria farmacêutica e de cosméticos.

Na legislação portuguesa encontra-se a seguinte descrição: “O mel é a substância açucarada natural produzida pelas abelhas da espécie Apis mellifera a partir do néctar de plantas ou das secreções provenientes de partes vivas das plantas ou de excreções de insetos sugadores de plantas que ficam sobre partes vivas das plantas, que as abelhas recolhem, transformam por combinação com substâncias específicas próprias, depositam, desidratam, armazenam e deixam amadurecer nos favos da colmeia” (Decreto-Lei nº 214/2003).

Em 2018 as Nações Unidas instituíram o dia 20 de maio como o Dia mundial das Abelhas.

No primeiro Dia Mundial das Abelhas, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, advertiu que pessoas e governos devem fazer mais para proteger estes insetos ou arriscam uma queda acentuada na diversidade de alimentos. Mais de 75% das culturas alimentares mundiais dependem, em certa medida, da polinização.

Segundo a agência da ONU, as abelhas estão sob grande ameaça devido aos efeitos combinados das alterações climáticas, agricultura intensiva, pesticidas, perda de biodiversidade e poluição.

Protejamos e salvemos as abelhas, só assim poderemos continuar a desfrutar da natureza com respeito e admiração.

Paulo Gil Cardoso/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW