Temas de CapaBlog

VoxPop – Política

voxpop politica-canada-mileniostadium
Crédito: Joakim Honkasalo

 

Vivemos numa era onde a política é vista com olhos de incerteza. Será que os políticos são credíveis? Cumprem as promessas que fazem? Até que ponto as pessoas ainda conseguem confiar no trabalho desenvolvido pelos governos? Nesta edição do jornal Milénio Stadium fomos à procura da opinião de quem depende das decisões políticas e da sua verdade para viver – tanto a nível pessoal, quanto profissional.

Catarina Balça/MS


  • António Silva

Tem a preocupação de acompanhar a vida política nacional e internacional?

Pouco. Não gosto lá muito de política e também percebo pouco…

Como é que vê os políticos e a mensagem que transmitem, principalmente nos tempos em que vivemos?

Cada vez gosto menos de políticos. Pelo que muitas vezes vejo na televisão, alguns nunca deveriam ter ido para os cargos. Vê-se muita incompetência… E agora com isto da  Covid-19 parece-me que muitos deles não fazem ideia de como decidir e orientar as pessoas.

Fala-se que um dos maiores problemas da política mundial é a corrupção. Concorda? No caso do Canadá, em particular, sente que essa é também uma realidade?

Concordo. Basta ver televisão. São inúmeros os casos que andam em investigações policiais e nos tribunais. No Canadá por acaso não ouço falar de muita coisa desse género, acho que há assuntos por aí sobre o nosso primeiro-ministro e tal, mas sinceramente não estou informado.

Na sua opinião, o que terá que acontecer para aumentar a credibilidade dos políticos?

Controlo apertado das suas situações financeiras pessoais e penas severas de prisão para os prevaricadores. Com penas severas, talvez se alterassem maus hábitos…


  • Carla Tavares

Tem a preocupação de acompanhar a vida política nacional e internacional?

Sim. Vou tentando acompanhar o mais possível embora por vezes me irrite muito com o que vejo e oiço. Principalmente agora, por causa da Covid quero saber o que é que estão a fazer para nos ajudar.

Como é que vê os políticos e a mensagem que transmitem, principalmente nos tempos em que vivemos?

Acho, sinceramente, que cada vez mais a gente acredita menos nos políticos. E sabe porque é que isso acontece? Por culpa própria. Eles têm cavado o buraco em que estão enfiados, porque são tantas as falsas promessas, as histórias inventadas, as mentiras descaradas… que já ninguém acredita neles.

E depois tenho cada vez mais a ideia de que não há diferenças entre eles – sejam de que partido forem, quando chegam ao poder, esquecem o povo e só servem os amigos e a eles próprios.

Fala-se que um dos maiores problemas da política mundial é a corrupção. Concorda?

No caso do Canadá, em particular, sente que essa é também uma realidade?

Concordo muito. Infelizmente. Não sei o que se passa, mas parece que o poder lhes transtorna a cabeça e rapidamente esquecem os princípios e os valores. Sabe… o dinheiro fala muito alto. Infelizmente. Não digo que sejam todos, mas há demasiados políticos que pensam apenas na conta bancária. E aqui no Canadá também, claro. Eu não sei muitos pormenores, mas lembro-me de ouvir que há umas histórias do nosso primeiro-ministro e da família dele também.

Fiquei com muita pena porque eu até gostava muito dele. Mas pronto, há piores por esse mundo fora. Nós aqui ainda estamos muito bem. O Governo até tem ajudado quem está a passar mal por causa desta maldita doença.

Na sua opinião, o que terá que acontecer para aumentar a credibilidade dos políticos?

Olhe têm que começar a falar sempre verdade. E mesmo assim agora o povo está sempre desconfiado. Bem a gente tem que acreditar em alguém, mas está cada vez mais difícil.


  • Joaquim Lopes

Tem a preocupação de acompanhar a vida política nacional e internacional?

Sinceramente já pouco me interessa. Já não consigo ter paciência para a política. É triste, porque eu devia ter um papel ativo, porque me afeta, mas desisti de me preocupar. Acho que gozam todos com a cara do povo, brincam com as nossas vidas e eu já me fartei. Preocupo-me com o mínimo.

Como é que vê os políticos e a mensagem que transmitem, principalmente nos tempos em que vivemos?

Acho que são todos mentirosos. Não consigo acreditar em nenhum. Eu nem consigo ouvir as promessas de ninguém, fico até enervado… Fazem das pessoas burras!

Fala-se que um dos maiores problemas da política mundial é a corrupção. Concorda?

No caso do Canadá, em particular, sente que essa é também uma realidade?

Mas ainda há dúvidas? É óbvio que existe corrupção. No mundo inteiro!! E o Canadá não é exceção. Pode não ser tão evidente como Portugal, por exemplo, mas basta ver as notícias com atenção para sabermos dos escândalos que existem por aí. A WE Charity é um dos exemplos.

Na sua opinião, o que terá que acontecer para aumentar a credibilidade dos políticos?

Se calhar se houver uma fiscalização mais apertada, muito mais apertada e detalhada. Além disso, se os políticos lá estiverem menos anos de cada vez talvez ajude também. Vai ser difícil ganhar a confiança de um povo que, na sua maioria, não acredita em mais nada do que os políticos dizem.


  • Ana Marques

Tem a preocupação de acompanhar a vida política nacional e internacional?

Tenho sim. Vivo aqui no Canadá e fico atenta ao que se passa por aqui, mas como portuguesa que sou, estou sempre preocupada e tento informar-me para saber o que acontece no meu Portugal. De uma forma geral, vou sabendo o que se passa pelo mundo, mas o meu foco fica entre Portugal, Canadá e Estados Unidos, por ser um país vizinho e por, claro, saber que o que se passa por lá, afeta-nos a todos, de uma maneira ou de outra.

Como é que vê os políticos e a mensagem que transmitem, principalmente nos tempos em que vivemos?

Com descrença. Alguns ainda falam com alguma credibilidade, outros não conseguem esconder que tudo não passa de teatros em praça pública. Mas não temos grande solução a não ser votar. Temos que escolher aquele que achamos que melhor nos representa, mesmo que não nos identifiquemos na totalidade. Ficar sem votar é que é absurdo e irresponsável. E sem votar, não temos direito a queixas – pelo menos é assim que penso.

Fala-se que um dos maiores problemas da política mundial é a corrupção. Concorda?

No caso do Canadá, em particular, sente que essa é também uma realidade?

Claro que concordo. O dinheiro é, na maioria das vezes, mais importante do que os princípios e valores. Acho assustador o nível de corrupção existente pelo mundo fora. Aqui no Canadá acho que pelo menos não é algo tão ordinário e visível como vemos noutros países.

Na sua opinião, o que terá que acontecer para aumentar a credibilidade dos políticos?

Um controlo mais apertado das ações políticas, não sei bem como. “Verdade” e “política” são duas palavras que não combinam muito, mas tem que haver um esforço por parte de quem nos dirige em mudar esta ideia. Transparência é essencial, mas rara na política. Tenho dificuldade em apontar uma solução para este problema, sinceramente.


  • Eduardo Cordeiro

Tem a preocupação de acompanhar a vida política nacional e internacional?

Tenho. Essencialmente através da televisão (noticiários e programas de informação em geral). Também através das notícias que aparecem nas redes sociais.

Como é que vê os políticos e a mensagem que transmitem, principalmente nos tempos em que vivemos?

Vejo-os como “profissionais da política”… Isto é, pessoas que fazem da politica e dos cargos políticos a que se candidatam e ocupam, um modo de vida e o seu “ganha pão” e não tanto como alguém que se propôs a um cargo politico unicamente com um “espirito de missão” altruísta em prol da sociedade. Na verdade, gente na política “de graça” é coisa do passado, raro nos dias de hoje.

Fala-se que um dos maiores problemas da política mundial é a corrupção. Concorda?

No caso do Canadá, em particular, sente que essa é também uma realidade?

De facto a comunicação social dá amiúde eco de casos de investigações criminais no âmbito da atividade política; pessoas que, de alguma forma, se aproveitam do seu cargo ou relações para que daí advenha alguma vantagem patrimonial ou outra, seja para si, seja para alguém do seu círculo de interesses ou relações. No Canadá as coisas parecem-me menos chocantes do que noutros países, mas temos alguns casos que supostamente são graves também.

Na sua opinião, o que terá que acontecer para aumentar a credibilidade dos políticos?

A limitação – redução em número de anos – dos mandatos e a não possibilidade de se repetirem mandatos consecutivos, ajudaria. Uma maior e mais eficaz fiscalização e controlo nos gastos do dinheiro público. Em determinados organismos públicos (por exemplo câmaras municipais e institutos públicos) não seria mal pensado que todas as despesas relevantes tivessem que ter a fiscalização prévia de um magistrado (Juiz ou Procurador). Também se se tirassem muitas das regalias que têm inerentes ao cargo (viaturas, cartões crédito, etc.), ajudaria a melhorar a imagem.


  • Maria Oliveira

Tem a preocupação de acompanhar a vida política nacional e internacional?

Olhe, para ser sincera não ligo muito. Nem percebo nada disso, mas sempre vou ouvindo alguma coisa. Às vezes pergunto ao meu filho o que é que eles estão a dizer e ele explica mais ou menos. Quando ele sabe… agora ele fala muito é do Trump. Ele explica-me que se calhar ele vai ser outra vez Presidente dos Estados Unidos. Sinceramente não entendo. Aquele homem é maluco.

Como é que vê os políticos e a mensagem que transmitem, principalmente nos tempos em que vivemos?

Primeiro eu quase não os percebo e não é por causa do inglês, que eu até sei a língua. O problema é que eles falam, falam e no fim eu penso – o que é que eles querem dizer? E muitas vezes não sei. O nosso primeiro-ministro fala muito bem e é muito bem parecido – esse eu gosto de ouvir. E olhe que ele tem-nos ajudado muito. Se não fosse ele eu não sei como seria a nossa vida. Não gosto quando dizem mal dele. Até já disse ao meu filho – “tu não me venhas com histórias que eu não acredito em nada disso”. Ele é um homem bom. Não era capaz de fazer coisas só pelo dinheiro ou assim…

Fala-se que um dos maiores problemas da política mundial é a corrupção. Concorda? No caso do Canadá, em particular, sente que essa é também uma realidade?

Isso é quando eles recebem dinheiro para fazer coisas, não é? Aí eu não concordo. Acho isso muito feio. Eles estão lá é para defender o que é nosso e ajudar o povo a viver melhor. É para isso que têm que trabalhar.

Aqui no Canadá não tenho ouvido nada de especial. Aqui há tempos o meu filho veio com uma história – “que o Trudeau isto, que a mãe aquilo” e eu só lhe disse “olha lá tu conheces as pessoas para estares a dizer isso?”. Não acredito em nada dessas histórias. Então uma família tão bonita e com tudo o que precisam, para que é que se iam meter em coisas feias? Não acredito. Pronto.

Na sua opinião, o que terá que acontecer para aumentar a credibilidade dos políticos?

Quer dizer… a gente para acreditar em alguém tem que ouvir verdades. Quando se começa a falar com muitas mentiras, está tudo perdido. Eu nunca mais acredito em quem me mente uma vez.

 

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

DONATE NOW

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER