Temas de Capa

VoxPop

Estudantes e pais

Provinces across Canada have announced back-to-school plans for September, but many parents and teachers have raised concerns about safety in the midst of the coronavirus pandemic. Even more important are students themselves, who will have to face the reality of risking their safety on a daily basis. Milénio Stadium asked Toronto students how they feel about returning in September and if they worry about contracting COVID-19.

 

voxpop-image-temacapa-mileniostadium
O que acham deste regresso? Estas foram algumas das perguntas para as quais procurámos resposta junto dos encarregados de educação da comunidade luso-canadiana a residir em Toronto. Foto: DR

 

  • Tainara Teixeira Correa

As a student, do you feel worried about being back to school, considering the current COVID-19 circumstances? Why?

I don’t feel worried about being back to school because all my classes will be online. This makes going back to school so much more comfortable and safer because I won’t be in lecture halls with hundreds of other students and I can learn without additional stress of getting sick from someone at school or while commuting to school.

What is your plan to be safe while attending school this year?

Ensuring I can get all my textbooks online and if I need to go on campus, making sure I wear all the proper PPE. Since all my classes are online, it’ll be much easier to be safe while attending school.

How much would you say that the pandemic has affected students and teachers so far?

I think the pandemic has affected students and teachers in both positive and negative ways. To start off, it completely removes the chance for teachers to build relationships face to face with students. Some students don’t learn well online, and some teachers don’t teach well online. How someone’s education is delivered is a factor in their success in the class, so some will struggle while others will thrive. For students who have a long commute or who can’t focus sitting in a lecture hall, this would be a great chance for them to explore other ways classes are delivered. This would also be really beneficial for students who do better in school with online classes rather than in person classes. For teachers, it will allow them to explore different teaching styles and find out what works best for not just them, but their students.

Did you have online lessons during the quarantine? If yes, did you like it better that the traditional classes? Why?

I took an online class over the summer. I really enjoyed it because I felt more in control of my education. I can do my work when it fits my schedule instead of the opposite. It also eliminates communing from my schedule completely, and I can attend lectures wherever I am instead of having to go to a certain place at a certain time. Personally, I find myself to be so much more successful with online classes because I essentially am relying on myself to learn in a way that best fits my preferred learning styles.


  • Emily Santos

As a student, do you feel worried about being back to school, considering the current COVID-19 circumstances? Why?

As a student, this return to school does worry me a bit due to most kids and teenagers getting sick during flu season. I also know from my past experiences that students my age (14+) rather just wear a sweater during the winter time then just wearing a big jacket.

What is your plan to be safe while attending school this year?

My plan to maintain a safe environment for myself and my friends is to wear my mask in small/crowded hallways, put hand sanitizer on every time I switch classes and try my very hardest not to touch many things at school.

How much would you say that the pandemic has affected students and teachers so far?

I believe this pandemic has challenged the students academically because we are not learning as well due to students not being focused while being online. I believe to the teachers this pandemic created a big amount of stress because they tried their hardest to teach us to the best of their ability.

Did you have online lessons during the quarantine? If yes, did you like it better that the traditional classes? Why?

During this pandemic I had online classes for all my classes. I did not like it as much as I do regular classes due to not learning as much as if I were in class face to face with the teacher.


  • Inês Flores

As a student, do you feel worried about being back to school, considering the current COVID-19 circumstances? Why?

I’m worried about going back to school because of being around so many people who in turn are also in contact with many others, but I’m also worried that I won’t be receiving a proper education in my final year of high school that will prepare me for university next year.

What is your plan to be safe while attending school this year?

To be safe in the upcoming school year I plan to wear a mask (as required), as well as social distancing to the best of my ability as suggested by many medical professionals.

How much would you say that the pandemic has affected students and teachers so far?

I think that the pandemic has affected students and teachers enormously. Students have been impacted both socially and academically. Those who graduated this year did not get a proper graduation or final trip (specifically, high school seniors didn’t get a prom.) The grade 12’s from this year will also miss out on the beginning of their first year of university because the fall semester for all universities will be online. Every student has been impacted academically, not only did we miss out on two weeks of school completely after the march break, all classes also went online where many teachers didn’t even bother to do virtual lessons. However, I think teachers have been impacted the most. For students it is a few years of trouble and lack of sufficient education, but for the teachers it is their careers. It has been shown many times that the school boards and the provincial government do not care about their teachers. The teachers will supposedly be given masks and face guards but their opinions are not listened to (as shown by the lack of communication with the teachers’ unions) and they also don’t really have a choice whether they want to go back to work or not.

Did you have online lessons during the quarantine? If yes, did you like it better that the traditional classes? Why?

I had one class with virtual lessons during quarantine and it was very hard to concentrate as well as to get help on my homework.


  • Meghan Pereira

As a teacher, do you feel worried about being back to school, considering the current COVID-19 situation? Why?

No, I’m excited, but I know it will bring many challenges. What I am most scared about is how I will keep the students safe. Some classrooms that I have gone into don’t have a sink, thus making hand washing regularly problematic.

What is your plan to be safe while attending school this year?

This school year I will have to make sure I take several masks to work. I’ll also protect myself by making sure I am sanitizing regularly. Something that I may have to plan on doing is taking extra supplies. For example, in previous years students would borrow my pencils and other materials, but I don’t think that’s possible this year.

How much would you say that the pandemic has affected students and teachers so far?

I think the pandemic has really impacted students and teachers significantly. Students were unable to see their friends and classmates. The online classes were very challenging for some kids. I believe many people forgot, that young children especially, did not have the technological skills to be successful online. Yes, there are programs that can help children type, but a lot of school work was dependent on adult assistance. In regards to the teachers, the pandemic brought about a change in teaching style that some were not comfortable with. Many had not taught on an online platform before.

Did you have online lessons during the quarantine? If yes, did you like it better that the traditional classes? Why?

No because I’m a substitute teacher.

Telma Pinguelo e Francisco Pegado/MS


VoxPop – Pais

Depois de apresentado o plano da província de Ontário para iniciar o ano letivo 2020/201 em plena pandemia, quisemos saber como estão os pais a reagir ao anunciado regresso em setembro à vida escolar dos seus educandos. Estarão na disposição de encarar com normalidade o regresso dos seus filhos à escola? O que acham deste regresso? Estas foram algumas das perguntas para as quais procurámos resposta junto dos encarregados de educação da comunidade luso-canadiana a residir em Toronto.

Paula Henriques (mãe de estudante com 8 anos)

Os seus filhos vão regressar à escola no início do ano letivo?

Em termos de voltar para a escola ainda estamos muito indecisos. O número de casos ainda está muito incerto para tomar uma decisão. Se continuarem a baixar, tomaremos uma decisão mais perto do primeiro dia de escola.

Porque razão não quer os seus filhos regressem à escola em setembro?

A razão de não querer que o nosso filho volte para a escola é a mesma das outras famílias. O medo de o nosso filho contrair a Covid-19. Nós temos uma bebé em casa e não queremos arriscar que alguém em casa seja exposto ao vírus.

Os pais que não autorizarem os filhos a regressar à escola e que tiverem emprego vão ter de trabalhar de casa ou incorrer em despesas para tomar conta das crianças. É o seu caso? Se sim, vão conseguir suportar os encargos?

No nosso caso é fácil ter o nosso filho em casa. Estou em casa com a nossa bebé e não estou a trabalhar neste momento.

Se o número de casos de Covid-19 não aumentar, admite alterar a sua decisão e requerer que o seu filho regresse à escola durante o ano letivo?

Se os números continuarem a descer em princípio deixamos que ele vá começar o ano escolar.

O que acha do plano de reabertura das escolas apresentado pelo Governo provincial?

O plano do Governo provincial tem vários prós e contas. No nosso caso, o nosso filho está numa sala com poucos alunos, por isso o risco é menor do que uma sala com 30 alunos. Aí torna-se mais complicado. As crianças não sabem manter distâncias sociais e é difícil entenderem as regras. Também  temos a preocupação que o nosso filho não vai querer usar uma máscara todo dia. Ele é uma criança que adora abraçar os seus colegas e professoras, e vai ter de aprender que não pode. Ao fim de tantos meses sem ver os seus colegas e professoras, eu acho que vai ser difícil ele entender que as coisas vão ser muito diferentes.


  • Maria de Fátima Lima (mãe de estudante com 12 anos)

A sua filha vai regressar à escola no início do ano letivo?

Sim. Vai.

Vai regressar porque concorda com o regresso às aulas nestas condições de pandemia e com o plano do Governo provincial?

Mais ou menos… vai regressar porque eu acho que nós vamos ter que tomar esta decisão algum dia e então que seja agora.

Apesar da percentagem de crianças que sofrem complicações das Covid-19 ser pequena, não tem receio que a sua filha possa transmitir o vírus aos pais ou pessoa mais idosas, no seu círculo de amigos ou familiar?

Tenho receio sim.

Se o número de casos de Covid-19 na província aumentar, admite alterar a sua decisão a meio do ano letivo?

Com certeza.

O que acha do plano de reabertura das escolas apresentado pelo Governo provincial?

Acho que não está totalmente correto e devia ser alterado. As turmas deviam ser reduzidas, contratarem mais professores e mais auxiliares de educação e criarem melhores condições para que houvesse mais segurança.


  • Pedro Teixeira Mendes (pai de estudantes com 12 e 9 anos)

Os seus filhos vão regressar à escola no início do ano letivo?

Em princípio, sim.

Vão regressar porque concorda com o regresso às aulas nestas condições de pandemia e com o plano do Governo provincial?

Não necessariamente. Vão regressar porque é essencial que continuem a sua educação, que as vidas se aproximem, o mais possível, da normalidade pré-pandemia e porque tanto a mãe como o pai têm as suas vidas profissionais que precisam também de ser regressar à normalidade. Até agora temos tido a ajuda das nossas entidades empregadoras, que têm permitido que desempenhemos as nossas funções de casa, mas não sei se será uma situação sustentável por muito mais tempo. Há muitos aspetos a considerar.

Apesar da percentagem de crianças que sofrem complicações das Covid-19 ser pequena, não tem receio que a sua filha possa transmitir o vírus aos pais ou pessoa mais idosas, no seu círculo de amigos ou familiar?

Haverá sempre essa possibilidade. Estamos a pensar tentar fechar o círculo familiar e de amigos um pouco mais para que, acima de tudo, em caso de haver infeção, não haja contágio dentro do nosso círculo familiar e de amigos. Não é fácil de o conseguir fazer, mas tentaremos ao máximo. Mais uma vez, cria-se o isolamento das crianças e também dos mais velhos, ao tentar protegê-los.

Se o número de casos de Covid-19 na província aumentar, admite alterar a sua decisão a meio do ano letivo?

Se a situação se alterar, não tenho dúvida que alteraremos a nossa posição. Nessa altura terão de ser avaliados os impactos que terão na nossa vida pessoal, familiar, profissional e económica.

O que acha do plano de reabertura das escolas apresentado pelo Governo provincial?

Acho eu tem pontos positivos e negativos. Se por um lado decidiram dar ouvidos, acima de tudo a alguns especialistas médicos, tenho pena que não tenham seguido todas as suas recomendações. Logo, na minha opinião, as medidas tomadas ficam aquém do que deveriam ser.


  • Estela Medeiros (mãe de estudantes com 7, 9 e 12 anos)

Os seus filhos vão regressar à escola no início do ano letivo?

Para ser sincera ainda não decidimos, mas estamos inclinados para que não iniciem a escola em setembro.

Porque razão não quer os seus filhos regressem à escola no início do ano letivo?

Acima de tudo porque acho eu não vão ser criadas condições para que haja segurança, não só para os alunos, como para os professores e auxiliares e também para as pessoas que os rodeiam, porque assim que o vírus infetar uma criança, professor ou auxiliar, vai automaticamente ter impacto nas suas famílias e muito provavelmente infetar também as pessoas mais próximas.

Os pais que não autorizarem os filhos a regressar à escola e que tiverem emprego vão ter de trabalhar de casa ou incorrer em despesas para tomar conta das crianças. É o seu caso? Se sim, vão conseguir suportar os encargos?

No meu caso pessoal, não é muito difícil, porque já trabalhava de casa. O meu marido vai continuar a trabalhar. Acredito, contudo, que haja famílias que tenham dificuldades. Acho inclusivamente que o Governo haveria de propor legislação que além de prevenir que os empregados sejam despedidos com justa causa por optarem por não pôr os seus filhos na escola e terem de ficar ou trabalhar em casa, deveria também auxiliar os pais que necessitem de apoio em situações de necessidade.

Se o número de casos de Covid-19 não aumentar, admite alterar a sua decisão e requerer que o seu filho regresse à escola durante o ano letivo?

Tudo está em aberto. É uma possibilidade.

O que acha do plano de reabertura das escolas apresentado pelo Governo provincial?

O plano do Ministério da Educação é pobre, mas compreendo que não é fácil elaborar um plano que agrade a todos quando há tantas variáveis. Desde a evolução da pandemia, à evolução da economia, passando pelas necessidades das crianças e famílias, ou a situação débil em que as empresas se encontram. Apesar de ser um plano de regresso à escola, mexe com muitas outras coisas. Neste caso, dou um desconto ao Governo e apenas tento decidir de acordo com os interesses da minha família, tentando resguardá-los o mais possível. É uma questão de prioridades.

Carmo Monteiro/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW