Temas de CapaBlog

Luso-canadiano aposta em cozinha de infusão de canábis

Danny Raposo

A canábis tem cerca de 200 compostos e só dois é que são mais estudados: o THC (tetrahidrocanabinol) e o CBD (canabidiol). De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) cerca de 4% da população mundial já usou a canábis pelo menos uma vez na vida e cerca de 0,6% da população mundial consome esta droga diariamente. O Uruguai foi o primeiro país do mundo a legalizá-la e o Canadá seguiu o mesmo caminho em outubro de 2018.

Um mês antes do Canadá avançar com a legalização, a OMS declarou que o canabidiol tinha potencial terapêutico. Numa recomendação dirigida às Nações Unidas a OMS sublinha que não existem registos de problemas de saúde pública relacionados com o uso de CBD. A substância demonstrou eficácia no tratamento de algumas formas de epilepsia, doenças neurodegenerativas e cancros.

O médico Taylor Lougheed, especialista nesta área, confirmou ao nosso jornal que muitos pacientes têm descoberto que toleram produtos à base de CBD e que têm tido muito poucos efeitos colaterais. “Quantidades diferentes de THC e de CBD, tal como plantas e doses diferentes levam a efeitos clínicos diferentes. Algumas das áreas mais comuns em que os pacientes são autorizados a fazer tratamentos com canábis incluem condições de dor crónica como osteoartrite e espasmos associados à esclerose múltipla, problemas de sono e ansiedade”, referiu.

Luso-canadiano aposta em cozinha-canada-mileniostadium
Danny Raposo. Crédito: Danny/Facebook

Danny Raposo tem hoje 47 anos e a adição por opióides fez com que começasse a usar canábis para fins terapêuticos. “Tinha sete anos quando parti uma perna e fui submetido a sete cirurgias. Desde aí que passei a viver com dores diariamente. Entre analgésicos, anti-inflamatórios, relaxantes musculares e antidepressivos cheguei a tomar 28 comprimidos por dia. Percebi que era dependente de opióides e há cerca de 10 anos parei de tomar comprimidos e passei a usar apenas canábis”, contou ao Milénio Stadium.

Embora tenha feito alguma pesquisa sobre os benefícios da canábis no tratamento da dor crónica, Raposo procurou ajuda profissional. “Quando falei com o meu médico ele disse logo que era contra. Mas depois descobri outro médico e consegui uma licença da Health Canada para produzir a minha própria canábis. A minha vida mudou radicalmente porque com os opióides tinha sempre problemas para dormir, falta de apetite, prisão de ventre, dores de barriga, suores frios e estava sempre irritado. Desde que substitui os opióides pela canábis passei a dormir normalmente e agora tenho muito mais apetite”, recordou.

Danny é proprietário da Munchalishus Medi Meals, uma empresa que aposta na confeção de refeições com canábis e que pretende ajudar pessoas que querem fazer a transição dos opióides para a canábis terapêutica. “A MMM produz 100 refeições por dia e os pratos são preparados com os miligramas de THC e CBD que cada cliente precisa para aquele dia. Tenho clientes dos 32 aos 65 anos e os seus principais problemas vão desde dor crónica, até depressão, ansiedade e problemas com os ciclos de sono. Um dia gostava de preparar refeições para clínicas de reabilitação, é um dos meus sonhos, mas vamos ver como corre”, informou.

O empresário, que já passou pelo Masterchef Canada e pelo Dragon’s Den, foi um dos primeiros chefs a cozinhar com canábis no país. Através da infusão, o produto pode ser utilizado para fazer entradas, prato principal ou sobremesa. “Podemos usar a planta inteira na cozinha, desde a raiz até às flores e o nosso objetivo é expandir o catering e servir em eventos e festas de aniversário”, disse. O mercado dos produtos comestíveis à base de canábis é relativamente recente no país, mas Danny gostava de liderar este mercado na província de Ontário e talvez quem sabe um dia dominar o mercado nacional.

Para quem está agora a começar a utilizar a canábis para fins terapêuticos, fica aqui o conselho: “Comecem com poucos miligramas e depois aumentem de forma gradual. Fazemos qualquer tipo de prato, inclusive pratos portugueses”.

Raposo lamenta que a canábis para fins terapêuticos ainda seja um assunto tabu e pede ao Governo para apostar mais da sensibilização. “A legalização não chega, o mercado negro diminuiu, mas não desapareceu. Ainda existe muito estigma, nas pessoas e na própria classe médica. Não faz sentido alguns médicos prescreverem canábis e outros serem totalmente contra”, garantiu.

O preço da canábis medicinal varia entre $3,25/g e $15/g e um paciente normalmente está autorizado a consumir entre 1 a 5g por dia. Os números são da Medical Cannabis Clinics que cita na sua página 21 doenças onde os pacientes viram melhorias com a canábis: Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção; Esclerose Lateral Amiotrófica; ansiedade; artrite; doenças auto-imunes; fadiga crónica; dor crónica; depressão; fibromialgia; HIV; inflamação; insónia; dores de cabeça; Esclerose Múltipla; náusea; danos nos nervos; cuidados paliativos; Parkinson; stress pós-traumático; distúrbios convulsivos e stress.

Joana Leal/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Não perca também
Close
Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER