Temas de Capa

“Educação é a arma mais poderosa que se pode usar para mudar o mundo” – Nelson Mandela

Há mais de 37 anos atrás, ao lançar os alicerces daquilo que é hoje a Federation of Portuguese Canadian Business & Professionals (FPCBP), um grupo de portugueses pensou uma estratégia de desenvolvimento da comunidade portuguesa a residir no Ontário que, entre outros objetivos, devia conseguir promover a afirmação do orgulho naquilo que somos, enquanto povo. E a promoção da educação foi assumida como uma “arma” essencial nessa batalha, principalmente juntos dos mais jovens. Nasceu assim a atribuição anual das bolsas de estudo da FPCBP. 

As entrevistas com Armindo Silva, primeiro presidente da Federação e Eduarda Lee Sousa-Lall, atual presidente, transportam-nos do passado ao presente de um trabalho que teve sempre como horizonte a promoção de um melhor futuro para a comunidade luso-canadiana. E a esperança renova-se de cada vez que o flash de uma câmara fotográfica se acende para registar os sorrisos de quem recebe, mas também de quem dá. Fica assim eternizado um momento que, feitas as contas, nos engrandece a todos, cumprindo um sonho – sermos cada vez melhores e mais qualificados para sermos cada vez mais respeitados enquanto comunidade, de grande valor, integrada na sociedade canadiana.

Milénio Stadium: Na altura em que foi criada a Federação existia desde logo a intenção de criar esta atribuição anual de bolsas de estudo?

Armindo Silva: Deixe-me começar por lhe dar uma ideia de como é que eu via Toronto nos anos 81/82. Tinha havido uma grande recessão. A economia esteve atrofiada uns dois ou três anos. Nessa altura houve um grupo de pessoas/empresários aqui da Dundas que marcou uma reunião e disseram-me para eu ir. Eles queriam fazer qualquer coisa diferente relativamente ao que existia e andámos uns oito meses com reuniões, discussões… enfim, o habitual. Entre as pessoas que participavam nessas conversas onde se discutia a criação de algo diferente, estava a Dra. Laura Bulger, que era professora de Português na Universidade. E ela dizia que muitos dos jovens que, na altura, andavam na Universidade, não queriam ser portugueses. Não se identificavam como portugueses porque a comunidade não tinha nada para lhes oferecer, que não tinham nada que os orgulhasse. Não havia Cristiano Ronaldo, não tínhamos ganhado nada no futebol, não tinha ainda acontecido a Expo 98… Portugal não estava no mapa, digamos assim. Por essa altura um Professor Catedrático publicou um livro que era usado na área de estudos sociológicos, onde caraterizava a comunidade portuguesa como gente trabalhadora, que “limpava todas as torres downtown”. Esta era a imagem da comunidade. E fazer qualquer coisa para contrariar esta ideia passou a ser um dos temas principais das nossas discussões. Então pensámos numa organização que se interessasse por assuntos que diziam alguma coisa aos profissionais e empresários da comunidade, porque não havia nada.  A Federação nasceu e tinha como objetivos principais o desenvolvimento da cultura portuguesa, networking dos sócios e envolvimento político não partidário. Porquê? Porque sentíamos que tínhamos que melhorar o perfil da comunidade. Daí que um dos primeiros pontos fosse o tal desenvolvimento da cultura portuguesa – porque queríamos ir ao encontro dos jovens que não se interessavam em ser portugueses. E pensámos – o que se vai fazer? Foi então que surgiu a ideia da atribuição de bolsas de estudo. Nos nossos estatutos estava previsto um Building Fund que acabou por servir para dar bolsas. Como tínhamos pouco dinheiro, nós apostávamos na qualidade. E a bolsa de estudo não era apenas o dinheiro, tinha subjacente um sentimento de orgulho que queríamos criar nos jovens (e criou!). Queríamos que sentissem a bolsa como algo que os distinguisse, porque tinham qualidade para a receber. Era um incentivo para que não desistissem de ser portugueses. E, desde o início, ficou assente que quem escolhia os recipientes não era ninguém da Direção da Federação – era um grupo de professores universitários que fazia essa escolha.

MS: Acha que os objetivos iniciais da criação das Bolsas de Estudo da Federação estão a ser cumpridos?

AS: Eu acho que sim.  Houve uma evolução muito grande na comunidade portuguesa. Eu não quero afirmar que hoje estamos assim por causa da Federação. Não! Mas fico muito satisfeito por ver que o que a Federação (no seu início) gostava que acontecesse, está a acontecer. Temos empresários bastante distinguidos, temos pessoas de todos os ramos de atividade muito bem considerados.

MS: E sente que os jovens que foram ao longo de todos estes anos recipientes, de algum modo, devolveram à comunidade o investimento que foi feito neles?

AS: Houve alguns que devolveram, houve outros que se perderam, mas penso que nunca foi feito esse follow-up. Mas há uns anos aconteceu um episódio interessante. Fui a uma escola na St. Clair onde estava uma van com uma exposição sobre Aristides Sousa Mendes – o português que salvou milhares de judeus do holocausto – e a Principal da escola dirige-se a mim e pergunta “o Sr. não se lembra de mim?”, e eu não me lembrava. Ela tinha sido uma das primeiras recipientes de uma bolsa da FPCBP, era a Principal da escola e disse-me “agora a minha filha já vai receber uma bolsa também”. Isto é daquelas coisas que me dá alegria. 

MS: Até que ponto é que acha que, hoje em dia, as bolsas de estudo atribuídas pela Federação deveriam ter um critério extra – ajudar quem realmente precisa?

AS: Houve uma altura em que uma direção quis introduzir isso, mas como se pode saber se alguém realmente precisa? É um critério muito difícil de estabelecer. Aí é que está a questão. A criação das bolsas foi para promover o orgulho da comunidade. Para promover excelência. Nós tivemos recipientes que eram alunos brilhantes. O objetivo não era, e penso que não é, fazer caridade, digamos assim, mas sim promover a excelência e elevar o perfil da comunidade portuguesa. 

MS: Sente que seria interessante que a Federação fizesse o acompanhamento – uma espécie de “tracking” – dessas pessoas que foram recebendo as bolsas? Para se avaliar o efeito que teve o investimento feito na sua formação?

AS: Eu acho que até era um grande projeto fazer isso. Em conversa, ao longo destes anos, já tenho dito que era giro saber quem são hoje, os recipientes de ontem. Até porque há muita gente com sucesso que continua a não ser reconhecida como portugueses. Só quando ser português lhes traz vantagem. 

MS: The Federation has handed out 37 scholarships this year. What is the current criteria to receive a scholarship?

Eduarda Lee Sousa-Lall: There’s a separate selection committee is in arm’s length of the Federation for 37 years. This consists of The Chair, Albino de Sousa, from the University of Toronto and the nine judges. These people are the ones who select the recipients of the scholarships. There is a rubric chart, for Professor Albino de Sousa and is verified by past presidents. The Federation decided was the recipients must apply and meet specific requirements and if, let’s say, there is only one more scholarship to give out and two students who are equal, we will choose the recipient based on how many volunteer hours they have to date. There’s an application form that the Federation added: student must be a resident of Ontario, student must be of Portuguese descent, a high school student or above, willing to do volunteer work for a minimum of 10 hours in the calendar year through the Federation. For example, they are encouraged to volunteer to walk in the Portugal Parade, so the sponsors can see they are proud and grateful. 

MS: Do you feel the past recipients of the scholarships have somehow given back to the community? 

ELS-L: I know that some have been part of the Federation, others are business owners in our community, but we have a lot of students who step out of our community. As President of the Federation and through my own networking, I have encountered individuals who have won scholarships and I have asked them to come back to the community, to make a difference. We have a dynamic group of individuals who are in law, science, journalism and other various fields. What happens is: when they are studying, they are busy… it is only when they graduate, they come back. 

MS: “Help those who really need it” – do you believe this could be an additional criterion? 

ELS-L: I think it could be. I don’t think that was on the application form, but I understand that point of view because there are students who would need the help to receive financial assistance. If that is something that is part of the rubric of the selection committee, I don’t know, but that is a very good point, and that is something that could be addressed in the future. If you’re going to take that into account, you’re going to have to be politically correct in a way because if you’re going to put that on paper, there’s a privacy act that you have to incorporate.  Before you receive a scholarship, you’re going to have to prove to the selection committee that you actually need help. That is something very delicate. The fact is that the Federation did not have that as a criterion because it’s it’s hard to put that into effect and keep the privacy act intact.  

MS: Do you think that the Federation should somehow track the recipient to see if the investment was worth it?

ELS-L: I think it’s an opportunity to show our sponsors that we have invested interests and track the students once they receive the scholarship. Two years ago, we created a magazine that showed “Where Are They Now”. We tried to do it this year, but it’s a lot of work because we need to track them down and it’s not easy. We have a database now with their information so that we can get feedback from those students. I think it’s very important that if you get a scholarship that you give back and show that you’re grateful to those who don’t know you but invested in you. It’s important that every so often go back and reflect and see where they are now.

Catarina Balça


Autor(a):
Fonte:

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close