Temas de Capa

Barreira linguística afeta idosos portugueses

A barreira linguística é um dos maiores problemas que afeta os idosos portugueses que residem na GTA. O Abrigo Centre e o First Portuguese Centre, duas das instituições mais antigas da comunidade a trabalhar com a terceira idade, dizem que faz falta um espaço onde os utentes se sintam menos isolados.

O Abrigo Centre tem quase 250 idosos inscritos no seu centro de dia e as idades variam entre os 62 e os 93 anos. Em entrevista ao Milénio Stadium, a técnica do Abrigo contou-nos que a grande maioria não domina a língua inglesa. “Muitos dos nossos idosos vivem isolados nesta cidade e o dinheiro não chega para virem sempre ao centro. A reforma é pequena para pagar os $4 de transporte e não dá para comprar fruta e vegetais, por isso é normal que apareçam doenças associadas à carência de vitaminas”, informou.

Ao nosso jornal a técnica adiantou que também existem alguns casos de abuso financeiro familiar, uma vez que “alguns dos idosos têm contas conjuntas com os filhos” e lamenta que outros “tenham que cortar o pacote de canais portugueses que às vezes é uma das poucas companhias que têm quando estão sozinhos em casa o dia todo”.

A técnica reitera que um projeto como o Magellan Community Charities iria fazer toda a diferença. “Colocar um idoso num lar muitas vezes é um mal necessário para as famílias. Uma instituição onde eles tenham funcionários e técnicos que falem a sua língua materna vai tornar a mudança mais fácil. Já visitei lares onde os idosos não falam com ninguém porque não sabem inglês, o Magellan seria a sua casa fora de casa”, avançou.

Um espaço com programas que estimulem a terceira idade e minimizem as saudades de Portugal seria uma mais-valia. “As refeições à moda de Portugal, um filme em português ou uma sala de informática com internet são coisas simples que podem fazer a diferença na vida destas pessoas”, exemplificou.

O Centro de dia do First Portuguese tem cerca de 50 idosos e as idades vão dos 70 aos 90 anos.

Carina Parabela, presidente da instituição, aponta os problemas financeiros e a solidão como dois dos maiores problemas desta faixa etária.

“Os filhos trabalham o dia inteiro e alguns têm família em Portugal, se eles não vêm até ao First acabam por passar o dia inteiro sozinhos em casa. O custo de vida na GTA está cada vez mais caro e temos casos em que 90% da reforma vai diretamente para a renda, é assustador”, alertou.

O facto de não dominarem o inglês impede-os até de denunciar problemas mentais. “Eles sentem-se pouco à vontade para sair à rua ou ir ao médico e muitos pedem-nos ajuda com a bula dos medicamentos. A nível de problemas mentais também é complicado porque eles sentem-se mais confiantes quando podem falar em português com o especialista”, avançou.

Parabela garante que faz falta um Magellan Community Charities. “Acho que é um excelente projeto e espero de facto que vá para a frente. A nossa comunidade precisava disto há muito tempo. Os idosos vão ser os grandes beneficiários se poderem usufruir de atendimento especializado na sua própria língua materna”, referiu.

 

 


Autor(a): Joana Leal/MS
Fonte:

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close