Portugal

Sem clientes, sem dinheiro e sem tecto: a prostituição também sofre com a Covid-19

Noite em braganca
prostituicao
strip tease
bar de alterne
Nick Havana
leonel de castro
01/05/03

Com a saúde em risco e a crescente escassez de clientes, profissionais do sexo lutam pela sobrevivência face à ameaça que constitui a pandemia da Covid-19. Paralelamente, as plataformas de pornografia registam um aumento de visualizações por parte de quem fica em casa.

Pamela (nome fictício), prostituta de 46 anos, vive em Toulouse, França. Quando não trabalha na rua, tem de viajar para se encontrar com os clientes. Há mais de duas semanas que não trabalha, desde que o país fechou as fronteiras para impedir a disseminação do vírus. Apenas viagens essenciais são permitidas “As solicitações não deixaram de existir completamente”, explicou à agência AFP. Contudo, “comparando uma multa de 135 euros a 50 euros de um cliente”, a profissional prefere ignorá-las, mas se o cenário resistir acredita que as suas economias não vão ser suficientes. “Vou ter que correr riscos”diz. “Mesmo que tenha dois clientes por semana, pagaria pelo menos a comida”. No caso de prostitutas que já são mães, a situação agrava-se.

Leia mais no JN

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW