Portugal

Rio Tejo “por um fio” de água entre o Alentejo e Ribatejo

O caudal do rio Tejo está transformado num pequeno fio de água em várias zonas do seu trajeto, sendo a seca o principal motivo deste cenário que preocupa autarcas, ambientalistas e pescadores do Alto Alentejo e Ribatejo.

Além da seca, a retenção de águas em albufeiras, açudes e o “escrupuloso” cumprimento por parte das autoridades espanholas em relação aos limites acordados quanto aos caudais são outras das preocupações de quem vive entre Gavião (Portalegre) e Mação (Santarém).

Manuela Martins permanece há 56 anos junto às barracas dos pescadores, na zona do paredão da Barragem de Belver, em Ortiga, no concelho de Mação (Santarém) e, em declarações à agência Lusa, diz que o rio Tejo “está no fundo” porque “há três anos” que não chove.

O mesmo sentimento de tristeza de Manuela Martins, antiga vendedora de peixe do rio, é partilhado à Lusa pelo antigo pescador Camilo Vidal, que afirma que este período de seca está a ser difícil para os pescadores no ativo, uma vez que “não apanham peixe nenhum” para poderem sobreviver.

Ricardo Vermelho é um dos poucos pescadores ainda no ativo, está também ligado ao setor da restauração em Mação, e “aponta o dedo” a Espanha, sustentando que as autoridades do país vizinho retêm a água do rio nas suas barragens, situação que tem provocado um rio Tejo “sempre seco” naquela zona ribatejana.

Leia mais JN

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close