Portugal

“Depois de uma luta desigual” há “sinais positivos” no Mondego

A situação de cheia na bacia do Mondego começou a ter, esta segunda-feira, os primeiros sinais positivos de melhoria e diminuição do grau de risco, disse o comandante distrital de operações de socorro (CODIS) de Coimbra.

“Depois de uma luta desigual contra as forças da natureza nestes últimos dias, começámos a ter hoje os primeiros sinais positivos de melhoria”, disse Carlos Luís Tavares aos jornalistas, numa conferência de imprensa realizada em Montemor-o-Velho.

O comandante operacional frisou que para a melhoria registada contribuiu a diminuição do caudal no leito central do rio Mondego.

O débito atual situa-se nos 646 metros cúbicos por segundo (m3/s) no Açude-Ponte de Coimbra, cerca de metade do valor indicativo de cheia, que é de 1.200 m3/s, e mais de três vezes inferior ao caudal registado no sábado, que ultrapassou o limite de segurança de 2.000 m3/s.

Para esta melhoria contribuíram as condições meteorológicas favoráveis e o facto de a barragem da Agueira estar a libertar água “nos caudais mínimos”, de cerca de 400 m3/s.

Apesar dos “sinais claros de melhoria e diminuição do grau de risco” evidenciados por Carlos Luís Tavares, com “menos caudal e menos intensidade”, o comandante operacional avisou que “o risco de cheia continua”.

Jornal de Notícias

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER