Portugal

Celtejo fez descargas ilegais durante dois anos

“A Celtejo tem efetuado, de forma recorrente e continuada, descargas ilegais dos seus efluentes no rio Tejo”, garante o Ministério do Ambiente em informação revelada pela Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável.
Segundo um comunicado enviado à Zero, a empresa fabricante de papel descarregou, em 2015, 2,5 kg CBO5/tSA, valor muito acima do limite da sua licença emitida em 2014 que era de 0,9 kg CBO5/tSA.
No ano seguinte, a Celtejo voltou a repetir a descarga ilegal. Pese embora o limite da licença para descargas tenha subido para 2,5 kg CBO5/tSA, a empresa aumentou as descargas para 2,8 kg CBO5/tSA.
De acordo com a Zero, no ano passado não houve descargas ilegais porque o limite manteve-se em 2,5 kg CBO5/tSA, tendo a empresa feito uma emissão de 2,1 kg CBO5/tSA. “Porém, em reunião da ZERO com a Inspeção Geral do Ambiente, foi confirmado que esta instituição iniciou mais de um processo de infração por ultrapassagem dos valores limite de emissão (VLE) por parte da Celtejo”, lê-se no comunicado publicado.
A Zero refere ainda que também o Ministério do Ambiente confirmou que a “Celtejo tem efetuado, de forma recorrente e continuada, descargas ilegais dos seus efluentes no rio Tejo”.
Face ao exposto, a associação ambientalista considera que “estão reunidas as condições para que o Ministério acione a caução de 150 mil euros para danos ambientais prevista na licença de utilização de recursos hídricos da empresa”. Uma hipótese que, revela a mesma fonte, está a ser “ponderada” pela Agência Portuguesa do Ambiente.
Nesta senda, a Zero diz que fica provado que a empresa produtora de papel é “responsável por uma parte importante dos resíduos orgânicos que estão depositados no fundo da Albufeira do Fratel, resíduos esses que estão a causar danos ambientais e que vão obrigar o Estado a gastar pelo menos 1,2 milhões de euros na sua remoção”.
“O que nunca seria aceitável para os portugueses é que um cêntimo do valor estimado acima de um milhão de euros que o Estado vai investir na limpeza do fundo do Tejo pudesse eventualmente vir a ser pago pelos contribuintes, quando, como agora se demonstrou no caso da Celtejo, existem meios de prova a que o Estado facilmente pode aceder para encontrar os responsáveis pela poluição de um rio que é de todos”, frisa a Zero.
Zero/Milénio Stadium


Autor(a):
Fonte:

Redes Sociais - Comentários

Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close