Opinião

Comércio hostil entre EUA e China

Os mercados reagiram, recentemente, de forma nervosa, em todo o mundo devido a um reacendimento das tensões comerciais entre os EUA e a China e a um afundamento do yuan chinês. Embora o “selloff” tenha sido chocante, algumas perspetivas estão em ordem, pois muitos em posições-chave acreditam que a economia dos EUA não está em perigo de uma recessão iminente, mas a volatilidade pode persistir.

Depois de uma trégua de um mês, a disputa comercial entre os EUA e a China recomeçou novamente com mais uma rodada de restrições comerciais e algumas retóricas acaloradas, impactando os mercados financeiros em todo o mundo. As ações comerciais parecem ser menores e mais cautelosas do que à primeira vista.

A mais recente tarifa de 10% dos EUA sobre os $300 bilhões de mercadorias chinesas é um incentivo firme e não um duro golpe. Esta tarifa pode ser vista, em grande parte, como uma tentativa de exercer pressão psicológica sobre a China. Isso aumenta o risco de que a Casa Branca acabe indo “all-in” aumentando a tarifa de 10% para 25% ou mais nos próximos meses, como o presidente Trump já ameaçou.

Numa base prática, supondo que a tarifa de 10% seja implementada no princípio de setembro, a economia da China poderá perder mais força, principalmente devido às incertezas de que tarifas ainda mais altas poderiam estar próximas, embora o governo chinês e o banco central ainda tenham alavancas para puxar. Para os EUA, essa nova tarifa é apenas um pontinho na tela do radar. Embora os preços de alguns bens de consumo possam subir modestamente, o impacto total seria equivalente a apenas 0,1% – ou seja, um décimo de um por cento – da economia norte-americana de $21 trilhões.

A retaliação da China é mais estratégica e política do que económica. A China também está a aplicar pressão psicológica. Eles contrabalançaram a tarifa de 10% em duas áreas importantes para Trump, suspendendo as compras agrícolas dos EUA e permitindo que sua moeda enfraquecesse. Na minha avaliação, não há caminho para a reeleição de Trump sem os estados das grandes fazendas. Penso que os líderes chineses entendem isso. Mas aqui, novamente, é improvável que esse movimento tenha um impacto percetível na economia dos EUA. As exportações agrícolas para a China desceram 54% de 2017 a 2018 devido a tarifas anteriores, e mesmo assim a economia americana continuou a crescer. Para todo o ano de 2018, as exportações agrícolas norte-americanas para a China foram inferiores a uma fração de um por cento do PIB. Assim, acredito que a economia em geral pode absorver novas quedas, embora, infelizmente, as restrições chinesas continuem a limitar alguns produtores agrícolas.

A designação “manipulador de moeda” é mais simbólica do que de substância. Pela primeira vez em 25 anos, o Departamento do Tesouro dos EUA designou um importante parceiro comercial como um “manipulador de moedas”. Isso alimenta as disputas comerciais e já provocou retórica de “guerra cambial”, mas é improvável que tenha muito impacto prático, no curto prazo, na minha opinião.

Essa designação fará com que os EUA negociem questões cambiais com a China ou persigam seu caso com o Fundo Monetário Internacional. Os EUA já têm muitas tarifas e restrições sobre a China, e algumas das penalidades prescritas para manipuladores de moeda não se aplicam à China.

Uma das minhas principais preocupações é que quanto mais tempo a disputa comercial persistir, maior será o risco da confiança dos consumidores e das empresas desapareça, o que poderia mudar o panorama do investimento. Enquanto as tensões comerciais não aquecerem ao ponto de uma recessão global ou norte-americana se tornar uma ameaça credível, acredito que o mercado acionário possa funcionar nesse período volátil.


Autor(a):
Fonte:

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close