Mundo

Número de mortos contabilizados por Moçambique sobe para 468

O número de vítimas mortais do ciclone Idai e das cheias que se seguiram no centro de Moçambique subiu para 468, anunciaram esta terça-feira as autoridades moçambicanas.

A informação foi prestada pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e representa um acréscimo de 21 mortos em relação aos dados de segunda-feira.

As autoridades apontam ainda a existência de 1.522 feridos.

Os 154 centros de acolhimento existentes atualmente continuam a receber pessoas afetadas pelo Idai, acolhendo mais de 127.000 pessoas, o que equivale a mais de 24 mil famílias.

O número de pessoas afetadas pelo ciclone subiu para 797.000, sendo que este total de pessoas afetadas não significa que estejam em risco de vida.

São pessoas que perderam as casas ou que estão em zonas isoladas e que precisam de assistência, explicaram as autoridades.

As Nações Unidas apontam para a existência de 1,8 milhões de pessoas a necessitarem de assistência humanitária urgente.

Entre os danos materiais, as autoridades moçambicanas registam mais de 90 mil habitações afetadas, sendo que 50.619 ficaram totalmente destruídas, 24.556 parcialmente destruídas e 15.784 inundadas.

Foram ainda danificadas ou destruídas 3.202 salas de aulas, afetando 90.756 alunos, bem como 52 unidades de saúde.

Quase 500 mil hectares de terras ficaram inundadas, ainda segundo o balanço divulgado hoje pelo INGC.

O número de meios de socorro também continua a aumentar e ascende agora a 22 helicópteros, 37 barcos, 11 aviões e duas fragatas.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, no Zimbabué e no Maláui fez pelo menos 786 mortos e afetou, segundo dadas das agências das Nações Unidas, 2.988.900 pessoas, também nos três países.

No Zimbabué, as vítimas mortais registadas são 259, há 186 feridos contabilizados e 4.500 deslocados, num total de 270 mil pessoas atingidas pelos efeitos do Idai.

No Malaúi, o balanço mantém-se inalterado, nos 59 mortos, além de 672 feridos, 86 mil deslocados, e um total de 868.900 pessoas afetadas.

Leia mais em JN

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close