Mundo

Noruega expulsa diplomata russo por suspeitar que é um espião

A Noruega anunciou esta quarta-feira a expulsão de um diplomata russo, poucos dias depois de um norueguês ter sido detido em Oslo por suspeita de espionagem ao serviço da Rússia.

 

Noruega expulsa diplomata-mundo-mileniostadum
Ministério dos Negócios Estrangeiros da Noruega diz que suspeito “teve atos incompatíveis com o seu papel e a sua condição de diplomata”
Foto: @chrisyangchrisfilm/unsplash

 

Na segunda-feira, os serviços de informação noruegueses (PST) revelaram que tinham detido, dois dias antes, um norueguês suspeito de ter dado informações confidenciais a uma pessoa apresentada como um agente dos serviços secretos da Rússia.

“Informámos o embaixador russo que um funcionário da embaixada russa se tornou indesejável como diplomata e será convidado a deixar a Noruega”, disse o porta-voz do Ministério norueguês dos Negócios Estrangeiros, Siri Svendsen.

O diplomata em questão, ligado à secção comercial da embaixada, tem até o final da semana para deixar o reino, informou o ministério, explicando que “teve atos incompatíveis com o seu papel e a sua condição de diplomata”.

O ministério não adiantou, no entanto, se este diplomata russo era a pessoa que estava com o norueguês detido no sábado pela PST num restaurante em Oslo.

O norueguês, um homem de 50 anos, trabalhava para a sociedade internacional de registos e classificação credenciada DNV GL e era especialista na verificação de instalações industriais e de meios de transporte.

Segundo a DNV GL , o homem liderava um projeto industrial de impressão em 3D, mas não tinha autorização de segurança e não trabalhava em projetos para a indústria de defesa, as Forças Armadas norueguesas ou outras agências governamentais.

Depois de ser detido, o homem foi colocado sob custódia durante quatro semanas, sendo as duas primeiras em confinamento solitário total.

Identificado como Harsharn Singh Tathgar, o detido admitiu aos investigadores ter entregado informações, em troca de dinheiro, mas assegurou que as informações não continham nada que prejudicasse os interesses da nação. Se for condenado por espionagem, o norueguês poderá ter de cumprir uma pena máxima de 15 anos de prisão.

No seu relatório anual de avaliação de risco, publicado em fevereiro, o PST alertou para os riscos de espionagem que pairam sobre vários setores da sociedade norueguesa (poder político, círculos económicos, de defesa e cientistas, entre outros), apontando o dedo à Rússia, à China e ao Irão.

JN

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW