Mundo

Mais de nove mil pessoas fugiram de Palma por causa de ataques terroristas

This handout picture from the World Food Programme (WFP) taken on March 18, 2021 shows a general view of a main street in Palma District, in Cabo Delgado, Northern Mozambique. – The humanitarian crisis in Cabo Delgado Province, Northern Mozambique, has caused by more than 300 armed attacks since the first attacks 2017. The violence has resulted in widespread displacement, loss of lives and casualties, massive destruction of infrastructure and disruption of humanitarian assistance to the most vulnerable people in central and northern districts of Cabo Delgado. The food security situation in Cabo Delgado is highly fragile, mostly attributed to the escalation of violence and insecurity that deprives households of access to productive assets and livelihood activities, and results in crop abandonment during harvest. (Photo by Grant Lee Neuenburg / WFP / AFP) / RESTRICTED TO EDITORIAL USE – MANDATORY CREDIT “AFP PHOTO /WFP /Grant Lee Neuenburg” – NO MARKETING NO ADVERTISING CAMPAIGNS – DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS — NO ARCHIVE —

Mais de nove mil pessoas fugiram da Vila de Palma, no norte de Moçambique, desde o ataque de grupos jiadistas, no dia 24 de março, relatou esta sexta-feira o gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

“Pelo menos 9158 pessoas — 45 por cento das quais crianças — chegaram aos distritos de Nangade, Mueda, Montepuez e Pemba, de acordo com a última atualização da Organização Mundial para as Migrações“, afirma o OCHA, em comunicado divulgado esta sexta-feira.

Os ataques terroristas sobre as populações no norte de Moçambique já tinham, antes do ataque a Palma, obrigado quase 670 mil pessoas a fugir, contando-se entre elas 160 mil mulheres e adolescentes, 19 mil das quais grávidas.

Das pessoas que fugiram de Palma, 67 por cento conseguiram ficar com famílias de acolhimento, que receberam os deslocados em casa.

O OCHA salienta que “a situação continua volátil e milhares de pessoas estão em movimento em busca de segurança e assistência”, no distrito de Palma, depois de o movimento terrorista Estado Islâmico ter reivindicado, na segunda-feira passada, o controlo da vila de Palma, junto à fronteira com a Tanzânia.

Em Pemba, capital da província de Cabo Delgado, foi montado um centro de receção no porto e um centro de triagem num pavilhão desportivo.

Os trabalhadores humanitários estão a distribuir alimentos aos deslocados, a montar instalações sanitárias e a encaminhar as pessoas que precisam de cuidados médicos mais urgentes.

Na terça-feira, o porta-voz do OCHA, Jens Laerke, disse à agência Lusa que a situação em Palma é “um horror absoluto infligido contra civis por um grupo armado não estatal”.

“Fizeram coisas horríveis e continuam a fazê-las”, disse o responsável, frisando que os ataques continuarão a levar milhares de pessoas a fugir.

O OCHA afirma que há milhares de pessoas ainda a caminhar pela floresta para chegarem a locais seguros, e refere que um número ainda desconhecido de deslocados está em Quitunda, 15 quilómetros a sul de Palma.

JN

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER