Mundo

Cientistas reportam primeira morte causada por contacto com cadáver infetado

Um grupo de cientistas publicou uma carta de apresentação de um estudo sobre aquela que será a primeira morte de uma pessoa infetada após contactar com o cadáver de um doente infetado com Covid-19.

A carta, publicada este fim de semana no “Journal of Forensic and Legal Medicine“, é assinada por dois cientistas: Won Sriwijitalai, do Centro Médico RVT, de Banguecoque, e Viroj Wiwanitkit, da Universidade Médica de Hainan, na China.

De acordo com a informação recolhida, dizem ter descoberto o primeiro caso de um doente que morreu depois de ter sido infetado com Covid-19 através do contacto com um corpo contaminado numa unidade de Medicina Legal.

O site norte-americano “BuzzFeed News” foi quem primeiro publicou o conteúdo da carta em que os autores explicam que os médicos legistas podem ter contacto com material biológico infetado e que não se sabe quanto tempo o vírus pode permanecer no corpo de um indivíduo, após a sua morte.

Os dois cientistas dizem que os especialistas forenses devem prevenir o contágio através do uso de equipamento de proteção semelhante ao que um médico usa ao tratar os doentes infetados – “fato protetor, máscaras, luvas” – e recomendam que os procedimentos de desinfeção das salas onde se realizam as autópsias correspondam aos que são utilizados nos blocos cirúrgicos.

Na versão inicial do estudo, ainda sujeito a verificação, edição e validação, os autores dizem que “não se sabe quantos corpos contaminados com Covid-19” existem na Tailândia, uma vez que não é prática verificar a presença do novo coronavírus nos cadáveres.

JN

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW