Mundo

Brasil autoriza regresso dos adeptos aos estádios

Brasil autoriza regresso dos adeptos-brasil-mileniostadium
Só 30% da lotação máxima será permitida Foto: Liamara POLLI / POOL / AFP

 

O Governo brasileiro aprovou o regresso dos adeptos aos estádios de futebol, apesar de ainda não terem sido divulgadas datas em concreto.

Em comunicado, o Ministério da Saúde divulgou que deu “luz verde” para o regresso do público aos estádios, ainda que de forma parcial, uma vez que, num primeiro momento, apenas permitirá a ocupação de cerca de 30% da lotação máxima, noticiou a agência de notícias Efe.

As autoridades locais e os clubes estão ainda obrigados a cumprir uma série de normas de segurança sanitária, para evitar contágios no país que já ultrapassou as 138 mil mortos e 4,55 milhões de infetados devido à pandemia de covid-19.

“A abertura [ao público] deve ocorrer mediante protocolos que devem ser estabelecidos com o objetivo principal de garantir a saúde física e mental, assim como o bem-estar de todos”, realçou o Ministério da Saúde, liderado pelo general do Exército, Eduardo Pazuello.

Governadores e autarcas têm que ter em consideração a variação da curva epidemiológica, a taxa de ocupação de camas nos cuidados intensivos e a capacidade de resposta da sua rede hospitalar. Nem o ministério da Saúde, nem a CBF, divulgaram qualquer data sobre o momento em que os adeptos poderão regressar aos estádios.

O autarca da cidade brasileira do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, já tinha afirmado, na sexta-feira, que pretende voltar a ter adeptos nas bancadas em outubro. E acrescentou que a sua intenção é que a partida do campeonato brasileiro de futebol entre o Flamengo e o Club Athletico Paranaense, agendada para 4 de outubro no estádio do Maracanã, já possa ter público a assistir ao encontro ao vivo.

As competições de futebol no Brasil foram suspensas em março devido à pandemia de covid-19 e apenas regressaram de forma gradual a partir de junho, mas sem a presença de adeptos, situação que se tem mantido em todo o país desde então.

JN/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW