Mundo

Assédio e abuso sexual no seio da ONG em 2017 – A Médicos sem Fronteiras identificou 24 casos

A Médicos sem Fronteiras anunciou esta quarta-feira que identificou 24 casos de assédio e de abuso sexual em 2017 no seio daquela organização não-governamental, numa altura em que outra organização humanitária internacional (Oxfam) está envolvida num escândalo sexual.
Das 146 queixas ou alertas recebidos pela direção da organização não-governamental (ONG) criada em França (Paris) em 1971, “40 casos foram identificados como casos de abuso ou assédio após uma investigação interna”, indicou a Médicos sem Fronteiras (MSF), num comunicado.
“Destes 40 casos, 24 foram casos de assédio e de abuso sexual”, referiu a organização internacional, que integra 40 mil funcionários permanentes em todo o mundo, precisando que 19 pessoas foram despedidas.
“Nos outros casos, os funcionários foram sancionados com medidas disciplinares ou suspensões”, explicou a mesma nota informativa.
A MSF, organização sem fins lucrativos que oferece ajuda médica e humanitária a populações em situações de emergência, divulga esta informação numa altura em que a ONG britânica Oxfam está no centro de um escândalo após a descoberta de graves infrações e abusos sexuais cometidos por certos funcionários em países como Haiti, Chade, Sudão do Sul ou Libéria.
Por exemplo, uma das denúncias indicou que ex-diretores e funcionários da Oxfam encobriram em 2010 orgias e pagaram prostitutas, algumas possivelmente menores de idade, no Haiti, país na altura devastado por um terramoto que matou mais de 100 mil pessoas.
Na segunda-feira, a vice-diretora-executiva da Oxfam, Penny Lawrence, demitiu-se na sequência deste escândalo. A ONG britânica sofreu outro duro golpe na terça-feira, com a detenção na Guatemala do presidente da Oxfam Internacional, o ex-ministro das Finanças guatemalteco Juan Alberto Knight, no âmbito de um escândalo de corrupção.
A MSF não precisou onde estavam a trabalhar os elementos acusados de assédio ou de abuso sexual, nem a origem das denúncias, mas precisou que os 24 casos assinalados não incluem “casos diretamente geridos por equipas no terreno ou não relatados à sede” operacional em Paris.
Segundo a organização, os casos foram tratados com a máxima “confidencialidade” para proteger as vítimas.
“Um dos principais desafios da MSF é eliminar os obstáculos que encontram as pessoas suscetíveis de denunciar os abusos. Devemos fazer mais para sensibilizar sobre como funcionam os mecanismos de denúncia”, salientou a organização.
A ONG francesa considerou que o baixo número de denúncias se deve ao estigma que persegue a pessoa que faz a queixa, situação que se intensifica nas zonas de conflito onde a MSF está presente.
“Normalmente não existem mecanismos de proteção para as vítimas, o nível de violência generalizada é elevado, assim como a impunidade. As populações estão demasiado dependentes da ajuda externa” fornecida através de organismos internacionais como as ONG, salientou a MSF.
A MSF, que recebeu o Nobel da Paz em 1999, está presente em 71 países, nomeadamente Iraque, Iémen, República Democrática do Congo e Sudão do Sul.

Lusa/Milénio Stadium

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER