Local

HALLOWEEN – Trick or Treat?

O nome “Dia das Bruxas” surgiu quando na Idade Média a igreja Católica encetou a condenar o evento. Na tentativa de afastar o caráter pagão desta celebração, alteraram o calendário de forma a festejar o Dia de Todos os Santos a 1 de novembro, o que antes acontecia a 13 de maio. Daí o nome Halloween, que vem da junção das palavras ‘hallow’ (santo) e ‘eve’ (véspera).

A colonização feita pelos irlandeses levou à inclusão desta tradição na cultura americana que foi depois espalhada por todo o mundo. As festividades da altura do colonialismo baseavam-se na divulgação de histórias sobre os mortos, dança e canto. E no século 19 não se pediam doces, ao invés batiam-se a todas as portas à procura de comida ou dinheiro.

No final do século 19, o Halloween focou-se na união das pessoas do bairro, com festas, jogos, comida e disfarces. As pessoas foram incentivadas a eliminar os elementos mais aterradores do Halloween e por isso, perdeu muito da sua conotação religiosa e supersticiosa.

Hoje em dia, as casas e as ruas vêm-se decoradas com temas sombrios, desde bruxas, a caveiras, múmias, vampiros e fantasmas. São muitos os que apostam na decoração tanto ou mais do que no Natal, não fosse esses os dois feriados mais lucrativos. E na noite de 31 de outubro, as crianças mascaradas vão de porta em porta, com a pergunta que nos dá a escolher: doçura ou travessura? Ou doces ou partidas que vão desde atirar ovos à casa a espalhar papel higiénico pelo jardim. O Halloween é de todos e para todas as idades, seja celebrado na escola, seja em bares e discotecas ou até há quem o celebre no trabalho.

Em Toronto são várias as festas que testam a nossa resiliência ao medo, desde os Screemers (CNE), à Legends of Horror (Casa Loma) e à festa de rua na Church Street, conhecida como a melhor festa de Halloween da América do Norte. Para os mais corajosos, com coração forte, existem casas de terror que desafiam todos os nossos medos. Nos EUA, a McKamey Manor no Alabama oferece 20,000 dólares a quem conseguir enfrentar a casa de terrores. É só para os mais arrojados: são 10 horas de uma experiência de tortura que o obriga a enfrentar todos os seus medos.

Seja qual for o nível de medo que aguenta, no Halloween a única regra é ir mascarado, seja de algo assustador, a personagem de uma série favorita ou até uma critica à sociedade: o único limite é a imaginação.

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER