Local

COVID-19: Autarca de Toronto declara estado de emergência

O presidente da Câmara Municipal de Toronto, John Tory, declarou estado de emergência na passada segunda-feira (23 de março) devido à pandemia de COVID-19. Segundo as autoridades de saúde, a cidade tornou-se no epicentro da crise do novo vírus e na altura em que este artigo foi escrito Ontário tinha 858 casos de contágio confirmados e 11 mil pessoas estavam a aguardar o resultado do teste de COVID-19.

O anúncio do estado de emergência dá a Tory mais poderes para tomar decisões sem ter os votos dos vereadores. O autarca continua em autoisolamento desde que viajou para Inglaterra a negócios. Na conferência de imprensa, o autarca disse aos jornalistas que apesar das ordens de distanciamento físico, algumas pessoas continuam a não seguir as recomendações das autoridades de saúde e “simplesmente não entendem” o risco das suas ações. “Este comportamento é egoísta e não pode continuar”, avisou.

Uma das medidas que a autarca já tomou foi o encerramento dos parques da cidade e dos campos desportivos públicos para evitar a concentração de grupos de pessoas. Recorde-se que as autoridades de saúde recomendam que pratique uma distância física de pelo menos dois metros de forma a evitar contagiar e ser contagiado. Quem contrariar as ordens incorre numa multa de $5,000 e a autarquia prevê encerrar esta sexta-feira (27 de março) pelo menos 75% destes espaços de lazer públicos.

A cidade de Toronto tem atualmente mais de 1,500 parques e mais de 800 áreas de lazer públicas. Em Toronto mais de 300 pessoas já estão infetadas com o novo coronavírus. Para além de Toronto, as cidades de Mississauga e Brampton também declararam o estado de emergência.

Na segunda-feira (23) o Premier de Ontário, Doug Ford, anunciou que todas as empresas e serviços que não fossem considerados essenciais iam encerrar pelo menos 14 dias já a partir de terça-feira (24). A medida extraordinária deve-se à necessidade de diminuir os riscos de contágio entre a população cujos casos têm aumentado nos últimos dias segundo os números divulgados pelas autoridades médicas.

Ontário anunciou um novo pacote de medidas na quarta-feira (25) para ajudar a província a lidar com a pandemia – os $17 mil milhões vão permitir reforçar a capacidade do serviço público de saúde, permitir pagamentos diretos aos pais e atribuir incentivos fiscais para as empresas. O ministro das Finanças, Rod Phillips, disse que cada dólar investido para salvar vidas ou um posto de trabalho vale a pena. “O COVID-19 é uma ameaça extraordinária para a saúde e para a economia de Ontário – a maior que já enfrentei na minha vida – e exige uma resposta de todos os níveis de Governo e da sociedade civil porque estamos todos juntos nesta luta”, disse quando anunciava o novo pacote de medidas.

Os hospitais e os trabalhadores da área da saúde vão receber $3 mil milhões para reforçarem o equipamento de segurança, os pais com filhos de 12 anos ou menos vão receber $200, os idosos com baixos rendimentos vão receber o dobro das ajudas e os estudantes têm o pagamento dos empréstimos suspenso durante seis meses.

A conta da eletricidade baixou para a maioria dos consumidores da província e o Governo diz que as famílias podem contar com uma redução de $20, em média, na fatura mensal. A medida vai custar $162 milhões à província e vai ser alargada a pequenas empresas e a empresas de produção agrícola.

Os trabalhadores da construção civil continuam a operar, mas o Premier sublinhou nas conferências de imprensa que quem não se sentir protegido pode abandonar o local de trabalho. Os centros comerciais estão encerrados, os supermercados, as farmácias, os restaurantes com take away, os bancos e as bombas de combustível vão continuar a operar.

O plano inclui $7 mil milhões em novos gastos e $10 mil milhões em suspensão de impostos.  O défice de Ontário deverá aumentar de $9 mil milhões para $20,5 em 2020/21, de acordo com as projeções do Governo do PC e se de facto se vier a confirmar, os números não eram tão elevados desde a recessão de 2008.

Devido à escassez de kits de testes ao COVID-19, na quarta-feira (25) a província de Ontário anunciou que vai mudar a metodologia dos testes. Se ao fim de 14 dias de quarentena as pessoas que tinham contraído o vírus se sentirem melhor, a província já não vai voltar a repetir o teste. “Se a pessoa não foi hospitalizada, não é um trabalhador da área da saúde, recuperou, sente-se bem e já passaram 14 dias desde que ficou infetado, vamos considerá-los casos resolvidos”, explicou Barbara Yaffe, Associate Chief Medical Officer of Health.

Até agora os pacientes com o COVID-19 confirmado tinham de ser submetidos a dois testes consecutivos e aguardar pelo teste negativo para serem considerados casos resolvidos pelo departamento de saúde de Ontário.

A última vez que os torontonianos foram obrigados a praticar isolamento social em massa foi em 1918, na altura da 1.ª Guerra Mundial, quando a gripe espanhola se alastrou pelo mundo. Estima-se que 100 milhões de pessoas morreram por causa do vírus Influenza. A gripe espanhola foi uma das epidemias mais mortais da humanidade e em Ontário infetou mais de 300 mil pessoas e matou mais de oito mil.

Joana Leal/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW