ComunidadeHome

Consumidores queixam-se de atrasos na entrega de canábis

Os consumidores de canábis em Ontário têm-se queixado de atrasos na entrega do produto, falta de comunicação e problemas na emissão de facturas. As reclamações chegaram ao Provedor de Justiça da província que confirmou recentemente que já recebeu mais de 1000 reclamações desta natureza.

O Ontario Cannabis Store (OCS) é o único site onde é permitida a compra de canábis em Ontário de forma legal e na primeira semana de legalização da canábis o site registou mais de 150,000 encomendas.

Alguns dos consumidores que utilizam a canábis para fins medicinais defendem que os produtores estão a ser atraídos pelo mercado recreativo, um mercado maior e com mais possibilidades de lucro.

O Cannabis Council of Canada (CCC) representa cerca de 85% dos produtores do país e garante que está a fazer os possíveis para ultrapassar os problemas de disponibilidade de stock.

Em entrevista ao Milénio Stadium, Allan Rewak, presidente do organismo, sublinha que a grande prioridade continua a ser os consumidores para efeitos medicinais, que de acordo com as estatísticas são cerca de 300,000 em todo o país.

 

 

Milénio Stadium: Qual é exatamente a função do Cannabis Council of Canada?

Allan Rewak: Somos a associação comercial de produtores licenciados de canábis do Canadá. Ajudamos cerca de 85% dos produtores licenciados que existem no país ao abrigo da ACMPR (Access to Cannabis for Medical Purposes Regulations) C-45 Cannabis Act a comunicar com os reguladores, compreendendo as suas obrigações ao abrigo dos referidos regulamentos, falando com os media e agindo como um fórum para posições políticas em matéria de interesse comum. Nós representamos aproximadamente 37 empresas individuais que correspondem a cerca de 85% dos produtores.

Temos grandes e pequenas empresas, mas todas utilizam os mesmos métodos de produção.

 

MS: Desde que o consumo da canábis foi legalizado, o número de produtores aumentou?

AR: Temos cerca de 183 locais licenciados a nível nacional pelo Health Canada. O governo está atualmente no processo de migrar as licenças de cultivo sob a ACMPR para o novo regime C-45 e esperamos que os produtores aumentem nos próximos meses e anos. É um processo longo, árduo e altamente regulamentado, concebido para garantir a total conformidade com o regime regulamentar e a ausência de indivíduos que estejam ligados a qualquer trabalho criminoso.

 

MS: Alguns consumidores que utilizam a canábis para fins medicinais suspeitam que os produtores foram seduzidos pelo mercado recreativo.

 

AR: Estamos sempre preocupados com cada paciente que está à espera. Contudo, a realidade é que o mercado medicinal continua a ser a nossa prioridade. Esses 300.000 pacientes em todo o país são a nossa prioridade e nosso principal mercado demográfico. Não houve desvio do lado medicinal para o consumidor recreativo por uma série de razões; seria uma traição de nossos pacientes e, em segundo lugar, não faz sentido económico, porque a oferta de medicamentos é fornecida diretamente aos pacientes.

De vez em quando a ACMPR regista problemas no fornecimento de canábis. Penso que estamos a assistir a uma situação semelhante, embora parcialmente influenciada por adultos que consomem canábis, o que está simplesmente a sobrecarregar todas as empresas que operam no espaço, mas em nenhum caso isso leva ao desvio do uso medicinal para consumo recreativo.

Esta é uma área altamente regulamentada. Posso dizer que os produtores estão trazendo novos sistemas automatizados para acelerar o processo de produção, estamos melhorando o cultivo e estamos todos trabalhando 24 horas por dia e sete dias por semana para levar o produto até ao consumidor.

 

MS: Com todos estes problemas acha que há o risco de as pessoas voltarem a comprar a canábis no mercado negro?

AR: Tem havido problemas no lançamento do processo que se prendem com a greve do correio canadiano (Canada Post). Pessoalmente, sou cliente e encomendei logo no início e ainda não recebi a minha encomenda, três semanas após o pedido. Isso em si é sinal de um novo sistema e estamos superando-o, mas precisamos claramente de mais locais de venda, o que deverá acontecer em abril do próximo ano.

 

MS: Quantos consumidores é que temos em Ontário?

AR: Não tenho números específicos para a província de Ontário. A nível nacional 300,000 pessoas estão registadas como consumidores para efeitos medicinais – em Ontário seriam cerca de 40% deste número total. Em termos recreacionais é sempre difícil determinar quantas pessoas a consomem. O que sabemos com base em estudos é que 1 em cada 6 canadianos consomem canábis regularmente e que mais de 52% dos canadianos já experimentaram canábis pelo menos uma vez na vida.

 

MS: Como é que está a corer o processo de legalização?

AR: Muito bem. Nós fizemos algo que eu acho importante e acabámos com uma proibição. Com base nos números, apesar de 90 anos de proibição, é claro que precisávamos de uma abordagem melhor e é isso que estamos fazendo. Estamos trazendo a canábis para a luz do dia e Podemos regulá-la, controlá-la e garantir que a receita fiscal pode ser utilizada no desenvolvimento das comunidades e do país em vez de subsidiar o crime organizado.

Acho que ainda temos muito trabalho a fazer, mas vamos criar oportunidades económicas e sociais para os canadianos enquanto mantemos a canábis longe das crianças e dos lucros do crime organizado.

 

MS: Qual é que é a razão para termos falhas de stock?

AR: Como em qualquer novo mercado, haverá sempre tensões e produtos que se esgotam. Alguns produtores licenciados podem não ter conseguido tudo o que precisavam para colocar o produto no mercado no dia 17 de outubro, mas isso é algo que está mudando todos os dias. Como os produtos estão esgotando, novos produtos estão disponíveis online – novas linhas e novas ofertas. É um processo contínuo como em qualquer outro negócio.

 

 

MS: Tem recebido reclamações dos consumidores?

AR: Não trabalhamos directamente com os consumidores, mas os comentários que ouvimos junto dos distribuidores provinciais são positivos. Se é um paciente medicinal, trabalhamos com o seu médico para encontrar soluções. O maior problema tem sido o fornecimento. Estamos trabalhando para garantir que o desafio da oferta seja ultrapassado e vamos ter uma solução muito em breve.

 

MS: O que é que estão a fazer para lidar com a falta de stock?

AR: Os produtores licenciados estão a enviar mais canábis. Existem cinco empresas que fornecem o OCS (Ontario Cannabis Store) – quatro empresas fornecem o SGDC (Societé Québecoise du Cannabis) e nós reabastecemos todos os dias. Por exemplo, na Colúmbia Britânica cinco produtos esgotaram a 17 de outubro, mas hoje a situação está ultrapassada.

 

MS: Em Ontário só podemos adquirir canábis online.

AR: O comércio eletrónico é algo muito positivo para a nossa sociedade e sabemos que os canadianos e em particular os ontarianos querem ter essa opção. No entanto, como medida independente é insuficiente. O Premier tem sido muito claro e já disse que a partir de abril de 2019 a canábis vai estar disponível em lojas. Isso vai ser importante para distribuir esta substância. Nós podemos garantir que ele seja mantido longe de menores e do mercado negro.

 

MS: Acha que a falta de stock vai levar a um aumento dos preços?

AR: Não, não acredito nisso. O preço é um grande impulsionador na substituição do mercado negro e estamos trabalhando muito para alcançar esse objetivo. Não acho que vamos ter um aumento exponencial do preço porque nunca vamos assistir a uma rutura total de stock. Houve problemas no fornecimento, mas já aumentámos o stock e os produtores licenciados estão trabalhando diligentemente para garantir que ultrapassamos a situação.

 

MS: Há alguma medida que o governo possa tomar para ajudar a ultrapassar o problema?

AR: Há sempre desafios. Precisamos que o governo olhe para os produtores licenciados em cada província, especialmente em Ontário, como parceiros na superação desses desafios e procurando soluções colaborativas para os problemas porque eles vão surgir ao longo deste processo. Só assim é que vamos poder garantir a entrega de canábis aos consumidores.

Redes Sociais - Comentários

Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER

Close
Close