Museu Calouste Gulbenkian

Gulbenkian – impossível não dizer OBRIGADO

Views: 306

“Tia, podemos encontrar-nos na sua adorada Gulbenkian”, sugeriu esta semana uma das minhas sobrinhas.  Achei piada que a minha devoção a esse lugar seja tão óbvia. Eu adoro frequentar a Fundação Calouste Gulbenkian.

Opinião

Manuela Marujo manuela.marujo@utoronto.ca

Portugal inteiro tem uma dívida com a Gulbenkian, apesar de serem os lisboetas os grandes beneficiários dessa “casa da cultura”.  Fundada em 1956, define o seu mandato desta maneira: “fundação privada portuguesa dedicada a toda a humanidade, tem procurado fomentar o conhecimento e melhorar a qualidade de vida das pessoas através das Artes, da Beneficência, da Ciência e da Educação.”

uem cresceu em Portugal nos anos das bibliotecas itinerantes, deveria saber de cor o nome do arménio Calouste Sarkis Gulbenkian. Estas bibliotecas foram criadas em 1958 com o objetivo de “promover e desenvolver o gosto pela leitura e elevar o nível cultural dos cidadãos, assentando a sua prática no princípio do livre acesso às estantes, empréstimo domiciliário e gratuitidade do serviço”; a Gulbenkian fez o que o Estado não foi capaz de fazer ao criar uma rede de bibliotecas. Este serviço só terminou em 2002.

O Museu, a Galeria de Arte Moderna, o Coro e a Orquestra, e as dezenas de outras iniciativas que a Gulbenkian implementa contribuem para manter viva a memória do benemérito refugiado arménio que escolheu o nosso país para passar os últimos anos de sua vida.

Calouste Sarkis Gulbenkian optou por se refugiar em Portugal, um país neutro, durante a II Guerra Mundial. Ficou em Lisboa até à sua morte, em 1955. Era um dos homens mais ricos do mundo.

O modo simpático como foi tratado, o deslumbramento com a hospitalidade da cidade tanto o encantaram que, no seu testamento, Calouste Gulbenkian doou a Portugal uma pequena parte da sua grande fortuna em petróleo.

O conhecido jornalista-escritor José Rodrigues dos Santos lançou em Toronto, há alguns anos, “O Homem de Constantinopla”, o primeiro de dois livros em que romanceou a vida do senhor Calouste Gulbenkian.  Ao outro, ele deu o título: O Milionário de Lisboa.

A Fundação Gulbenkian, na Praça de Espanha é um oásis na cidade lisboeta. Tem um parque com jardins, pequenos lagos e fontes, abertos ao público a qualquer hora. O Museu Gulbelkian – Coleção do Fundador, com sua coleção permanente atrai tanto portugueses como estrangeiros – e ao domingo à tarde, a entrada é livre. Há sempre exposições temporárias de grande qualidade quer no espaço do Museu-sede, quer na Galeria de Arte Moderna.

As instalações da Fundação são usadas para espectáculos, congressos, cinema, concertos e outras iniciativas. Tem restaurantes e cafés no interior e nos espaços verdes do exterior. Famílias com crianças, estudantes e público em geral frequentam democraticamente estes espaços acolhedores.

A Fundação tem biblioteca especializada em arte e aberta ao público em geral. Estudantes e investigadores nacionais e estrangeiros conhecem os serviços de apoio em forma de bolsas, subsídios variados e publicações. Há também o Instituto Gulbenkian de Ciência que promove a investigação científica de grande qualidade.

Pessoalmente, sempre que estou em Lisboa passo muitas horas na Gulbenkian. Escolho-a para ver exposições, para encontros com amigos, para passear na tranquilidade dos jardins. Estou muito grata à Fundação.

Portugal seria um país artística, científica e culturalmente mais pobre sem a Fundação Gulbenkian.

Museu Calouste Gulbenkian


Gostou de ler sobre esta viagem?
Contribua fazendo um donativo (“tax credit donation”) para uma viagem de estudante da Universidade de Toronto.
THE MANUELA MARUJO TRAVEL SCHOLARSHIP
www.spanport.utoronto.ca – clique em: “Donate to the Department” e siga as instruções.

Comments: 0

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.