Editorial

Verão na cidade

Sol, nuvens, chuva quente, o nascer do sol mais cedo e o pôr do sol mais tarde são sinais bem-vindos de que o calor se aproxima numa cidade que está a sair de um longo inverno de hibernação.
De um chão congelado, surge uma cornucópia de cores que providenciam, à visão e ao cheiro, os meses de glorioso verão.

No Canadá o verão é muito valorizado. Enquanto que as outras estações oferecem condições apreciáveis para desfrutar, os meses de verão são aceites e dispõem as seguintes visões:

  • Água refrescante nas piscinas e lagos, com crianças a chapinhar e a lavar a escuridão do inverno com momentos de alegria.
  • Homens e mulheres a usarem os tamanhos de roupa errados, mostrando que os pneus não são só para os carros. Talvez, os humanos devam mudar os seus pneus e garantir que não adotam camelos como animais de estimação.
  • Casais a namorar, celebrando os rituais de primavera quando os níveis hormonais saltam das profundezas frias do inverno para o êxtase da primavera e do verão.
  • A plantação de árvores para dar sombra, de vegetais e flores, transformam a terra castanha estéril em paisagens florescentes. Vemos com carinho o crescimento gradual dos tomates e pepinos, à medida que ficam Benfica ou Sporting. Preocupe-se sempre que os seus tomates fiquem Porto.
  • Buracos nas estradas para todos. Se alguém quiser o meu, pode ficar com ele.
  • Senhoras e senhores deitados ao sol, a apanhar alguns raios de sol sem proteção, pois querem imitar as lagostas que não podem comprar.
  • Piqueniques e festivais onde formigas, mosquitos e outras pragas não compram bilhete para assistir. Faz-me lembrar um certo grupo étnico.
  • Viajar até às cottages, parques e praias criando engarrafamentos por toda a parte. A maior parte do tempo é passado no carro a fazer um piquenique.
  • Roupa de yoga, que é o padrão de moda, evidenciam formas nunca antes imaginadas e os homens usam spandex para imitar. Ughh!
  • Bicicletas, ciclomotores, scooters e carrinhos de bebé ocupam as ruas, sem qualquer respeito pelos carros, transformando os cidadãos numa população de bocas sujas e praguejadores. Deviam todos ir confessar-se.
  • Professores felizes, a aproveitar os dois meses de férias, mas ainda assim, a queixarem-se do quanto trabalham e chamam aos dias em que vão para a praia como “Dias de Desenvolvimento Profissional”. Nos seus calcanhares estão todos aqueles que viajam de férias para sítios quentes quando está calor em Toronto. Nunca consegui perceber porque é que a maioria dos portugueses viaja para Portugal durante várias semanas, mas tenho uma ideia. Querem que aqueles que residem em Portugal saibam que eles podem conduzir um carro alugado e que têm uma roupa nova.
  • O incrível cheiro das sardinhas assadas para irritar os vizinhos e a suculência de um maravilhoso bife, grelhado na perfeição, sem quaisquer queixas da vaca ou PETA.
  • Cerveja fresca ou um copo de vinho num pátio, a ver o mundo passar, com roupa de yoga e spandex.

Verão na cidade de Toronto. Guaxinins, esquilos, cães e gatos a darem-nos aquilo com que conseguimos lidar numa selva ocupada por humanos. O que poderia ser melhor? Em Toronto, a única coisa que faz falta são mais sorrisos.
A começar por mim!

Summer in the city

Sun, clouds, warm rain, early sunrises and late sunsets are welcoming signs of warmth in a city coming out of hibernation from a long winter.

A cornucopia of colours arises out of a frozen ground to provide the senses with visions and smells of a few months of glorious summer.

Summer in Canada is much appreciated. While the other seasons offer meritorious conditions to enjoy, the summer months are embraced and provide visions of the following:

  • Refreshing water in pools and lakes with children splashing and washing away the darkness of winter with joyful enjoyment.
  • Men and women wearing wrong sized clothing showing that tires are not just for cars. Perhaps humans should also rotate their tires and ensure that they don’t adopt camels as pets.
  • Couples making out celebrating the rites of Spring when the hormonal levels jump out from the cold depths of winter into the ecstasy of Spring and Summer.
  • Planting of trees for shade, vegetables and flowers and transforming barren brown land into flourishing landscapes. We watch the gradual growth of tomatoes and cucumbers with loving care as they turn to Benfica or Sporting. Always worry if your tomatoes turn Porto.
  • Potholes on the roads for all. If anyone wants mine, they can have them.
  • Ladies and men laying in the sun catching a few rays without protection because they want to imitate lobsters they can’t afford.
  • Picnics and festivals where ants, mosquitoes and other pests do not purchase tickets to attend. Reminds me of a certain ethnic group.
  • Travelling to cottages, parks and beaches creating traffic gridlock throughout. Most of the time is spent in the car having a picnic.
  • Yoga clothing which is standard fashion, creating shapes never before imagined and men in spandex trying to imitate. Ughh!
  • Bicycles, mopeds, scooters and baby carriages taking over our streets without any respect for the car turning our citizens into a population of foul mouths and swearers. All should go to confession.
  • Happy teachers enjoying 2 months of vacation but still complaining how hard they work and calling going to the beach “Professional Development Day” On their heels are all others who travel on vacations to warm places when it’s hot in Toronto. Can never understand why most Portuguese leave for several weeks to Portugal, but I have an idea why. They want the residents of Portugal to know that they can drive a rented car and that they have a new outfit.
  • The sweet smell of barbequed sardines to piss off the neighbours and the succulence of a wonderful steak grilled to perfection without any complaints from the cow or PETA.
  • Cold beer or a glass of wine on a patio watching the world go by in yoga outfits or spandex.

Summer in the city of Toronto. Raccoons, squirrels, dogs and cats giving us all we can handle in a jungle occupied by humans. What could be better? In Toronto, all we are missing are more smiles.
Starting with me!

Manuel DaCosta

Cartoon: Stella Jurgen

 


Autor(a):
Fonte:

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close