Editorial

Primeiro-ministro, quem?

As eleições federais de 2019 no Canadá estão marcadas para 21 de outubro, com o propósito de eleger os membros da Câmara dos Comuns do 43º Parlamento Canadiano.

A campanha de 40 dias pretende apresentar os programas dos variados partidos, incluindo de Justin Trudeau que tenta ser reeleito. No total existem seis primeiro-ministro candidatos na corrida, contudo, na realidade, apenas três têm uma hipótese realista de serem eleitos ou participar num governo de coligação se os resultados apontarem para um governo de minoria.

Os Liberais concluíram quatro anos de nada. Não cumpriram as promessas mais importantes que fizeram nas eleições anteriores e irão conduzir este país à bancarrota se forem eleitos por mais quatro anos. Os Conservadores prometem um orçamento equilibrado para 2024-2025, mencionando uma combinação entre restrições nos gastos e reduções nas ofertas às corporações lucrativas e ainda uma redução de 25% na ajuda internacional. O NDP promete novas medidas tributárias que são impossíveis de serem custeadas de forma credível, considerando que existem 70 novas medidas de gastos, incluindo 35 biliões para o ano de 2020-2021. O deficit para o primeiro ano seria de cerca de 32.7 biliões. A maior parte desse dinheiro viria do aumento de impostos sob negócios e canadianos com mais riqueza, o que com certeza não importa para o NDP.

Quanto aos outros partidos, não vale a pena o escrutínio, não têm hipótese de vencer. O frenesim geral das propostas destes partidos e que implicam o gasto do nosso dinheiro para tentarem manipular o eleitor levando-o a votar no respetivo partido é imperdoável e irrealista e iria sobrecarregar as nossas crianças com a incerteza financeira dos anos que aí vêm. Todos os líderes partidários são bons a fazer promessas, mas não sabem como as manter. O radicalismo inserido nas campanhas, devido ao desespero para ganhar votos, não vai servir o país a longo prazo. Parece que nenhum dos líderes saberia como equilibrar uma caderneta bancária e ver as “focas treinadas” por detrás destes líderes é o suficiente para perder a fé no sistema eleitoral. As eleições importam, mas tem de haver disciplina. Temos um primeiro-ministro incumbente que é um mentiroso, as credenciais exageradas de Andrew Scheer e a sua campanha mal-organizada e Singh com as suas promessas juvenis sem credibilidade. Portanto, estas eleições são um exercício inútil e as sondagens atuais demonstram uma popularidade de 33% para os Liberais e Conservadores, o que demonstra o desdém público no que diz respeito aos políticos.

Na edição da semana passada do Milénio Stadium, o Sr. Vicent Black escreveu que esta campanha é sobre nada. Como cidadãos deste país, temos de tomar decisões informadas sobre quem vamos votar. Talvez devêssemos ignorar os líderes e votar para a representação do nosso riding. O dilema põe-se já que no meio da incompetência estão a concorrer nos variados partidos pessoas competentes e capazes. Temos de os reconhecer e votar neles.

Vivemos numa época confusa, de ira e reflexão devido à incompetência e à auto-servidão política. Não devem brincar com a nossa liberdade, pois o processo democrático no qual vivemos hoje foi obtido com muito sacrifício. Temos a obrigação de votar, por isso vamos valorizar a nossa decisão ao votar pela pessoa que queremos que vença. Pense em quem irá representar melhor a comunidade portuguesa que, com as suas exceções, tem tido uma representação desprezível. Vote bem, mas vote.

As previsões apontam para um governo de minoria Liberal, o que considerando a conjuntura da vida no Canadá é possivelmente apropriado, mas fiscalmente os Conversadores têm o melhor programa eleitoral.

Prime Minister Who?

The 2019 Canadian federal election is scheduled to take place on October 21st, 2019, to elect members of the House of Commons to the 43rd Canadian Parliament.

The 40-day campaign has attempted to show the platforms of the various parties, including Justin Trudeau trying to get re-elected. In total there are six candidates for Prime Minister but in reality, only three have a realistic chance to be elected or to participate in a coalition government should the results be a Minority Government.

Liberals have concluded four years of nothing. They did not fulfill the most important promises made in the last election and will bankrupt this country if elected for the next four years. The Conservatives are promising a balanced budget by 2024-2025 citing a combination of spending restraints and reductions in both corporate handouts to profitable corporations and 25% reduction to foreign aid. The NDP are promising new tax measures which are impossible to be costed in any credible way as there are 70 new spending measures including 35 billion for the year 2020-2021. The deficit for the first year would run about 32.7 billion. Most of the money would come from tax increases on a business and wealthy Canadians, which of course don’t matter to the NDP.

The other parties are not worthy of scrutiny as they have no chance of winning. The overall spending frenzy with your money to bribe you into voting for the respective parties is unforgivable and unrealistic and will saddle your children with financial uncertainty for years to come. All Party Leaders are very good at making promises, but they don’t know how to keep them. Radicalism which was inserted into the campaigns out of desperation to win your votes will not serve the country in the long run. It would appear that none of the Leaders would know how to balance a bank book and watching the trained seals behind the Leaders is enough to lose faith in the whole electoral system. Elections matter but there has to be discipline. We have an incumbent Prime Minister who is a liar, Andrew Scheer overstating credentials and running a badly organized campaign and Singh with juvenile promises which are not credible. Therefore, this election is a useless exercise and the current polls which show 33% popularity for Liberals and Conservatives show the public disdain for politicians.

In last week’s Milénio Stadium, Mr. Vincent Black wrote that this campaign is about nothing. As citizens of this country, we need to make an informed decision as to whom to vote for. Perhaps we should ignore the Leaders and vote for riding representations. The dilemma is that in the middle of all incompetence, very able and competent people are running for the various parties. We have to recognize and vote for them.

We live in a time of confusion, anger and reflection because of political self-servitude and incompetence. Our freedom should not be played with as it took much sacrifice to achieve the democratic process we live under. We have an obligation to vote and let’s place value on our decision by voting for the person you want to win. Think of who is best to represent the Portuguese Community as with some exceptions, representation has been at best negligible. Vote well but vote.

My predictions is a Liberal Minority Government which at this juncture in the real life of Canada is possibly appropriate, but fiscally the Conservatives have the best platform.

 

 

 

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close