EditorialBlog

Os heróis da linha da frente

Frontline Workers

Os heróis da linha da frente-mundo-mileniostadium
Arte por Stella Jurgen

No outro dia, enquanto via um filme de guerra antigo, tornou-se evidente que os homens que combatiam não tinham todos a mesma importância no que diz respeito a viver e morrer. Os comandantes da guerra nunca eram os primeiros na linha da frente. Esse trabalho pertencia aos soldados de patentes inferiores que, muito provavelmente, iriam morrer. Mais tarde, seriam reconhecidos pelos comandantes como heróis que deram a sua vida por uma boa causa. O comandante voltaria a fumar o seu charuto sabendo que existiriam mais soldados dispostos a morrer sob comando. É bom brincar a Deus e decidir quem vive e quem morre. A guerra à Covid-19 tem vários componentes semelhantes, particularmente agora que contratámos comandantes de guerra para garantir que a vacina, ainda a ser materializada, é distribuída e injetada com eficácia militar. Na minha perspetiva, os cidadãos deste país ainda têm um longo caminho de espera até que este plano dê frutos e, entretanto, as decisões entre viver e morrer estão a ser tomadas pelas instituições médicas. Apesar de o planeamento ser importante em todos os aspetos, é também imperativo que nos seja retratada a realidade da situação para que as falsas esperanças não se tornem numa realidade do jogo político.

Já há alguns meses que uma das expressões mais utilizadas é “trabalhadores da linha da frente”. Muitas vezes, estes heróis são referidos como tal devido ao trabalho que desempenham. Embora devam ser feitos elogios a estes indivíduos, é essencial compreender quem são os trabalhadores da linha da frente para compreender a forma como a sociedade hoje funciona. Os trabalhadores mencionados frequentemente são enfermeiros, médicos, bombeiros e paramédicos, mas então e todos aqueles que deveriam ser considerados e de que ninguém fala? São muitos os que fazem diferença na sociedade, na melhoria dos outros, e que diariamente saem à rua de todos os países para fazer o trabalho de Deus. Pense nos pais que estão confinados às suas casas, a tomar conta dos seus filhos e dos mais idosos, pense naqueles que dormem na rua e no que aconteceria se bons samaritanos não lhes providenciassem conforto todos os dias? Pense nos estranhos com palavras generosas para aqueles que nunca as ouvem. Pense em professores, coletores de lixo, auxiliares de cozinha, políticos e muitos outros que fazem o seu trabalho sabendo que são um componente necessário para a sobrevivência. Alguns podem questionar-se porquê os políticos quando muitos estão a ser criticados pelo trabalho que estão a desenvolver. Tem de se lhes dar crédito por aguentarem as pressões diárias de governar numa atmosfera de incerteza. Não são especialistas nem educadores e dependem do conselho de muitos que têm pouca experiência na vida das ruas e, portanto, não compreendem o cidadão comum. Muitas vezes, o desafio assustador de cuidar dos doentes e dos pobres recai nas mãos de pessoas que nunca foram marginalizadas ou sofreram com fome, sendo assim, como é que podem compreender? Vamos honrar todos os componentes da sociedade que, sem pensarem neles próprios primeiro, se colocam à frente das questões que nos afligem.

O legado desta pandemia poderá ser o tumulto da saúde mental e o despertar racial. Esta guerra tem sido disputada durante vários anos, mas é agora acentuada. O medo da perda de liberdades civis está a conduzir a uma insurreição de muitos que temem que a perda de poder crie um vácuo que será preenchido por agentes políticos e não pelo cidadão comum. A falácia do poder é que este não se pode perder nem ser conquistado. É um conceito precetivo com o qual ocupámos o nosso cérebro. As lideranças da linha da frente, com uma visão de pensamento hierárquico, agravam o conceito de poder, com a mensagem sugerindo que seguir as suas ações fará a diferença na sociedade, sem ter em conta o facto de que os seguidores tentam atingir os seus resultados com violência. Martin Luther King foi um trabalhador da linha da frente, orando a milhares de pessoas frases maravilhosas enquanto tentava fazer a igualdade chegar a todos. As pessoas tornaram-no num herói, mas onde estão os resultados hoje? O movimento Black Lives Matter assumiu a batuta do herói, reivindicando igualdade social e um protesto não-violento. São esses os trabalhadores da linha da frente que queremos alcançar? 80 milhões de americanos pensam que não. Abraçar todos os que lideram a sociedade para o conforto irá atingir os resultados que precisamos e conduzir-nos-á até onde precisamos de ir. Vamos todos ser trabalhadores da linha da frente, sem a necessidade de sermos aclamados como heróis.   

Manuel DaCosta/MS


Front line heroes

Os heróis da linha da frente-mundo-mileniostadium
Art by Stella Jurgen

While watching an old war movie the other day, it became apparent that the men fighting the conflict did not all have similar importance when it came to living and dying. The war commanders were never first on the front lines. That job belonged to the lower rank soldiers who most likely were going to die.  Later they would be acknowledged by their commanders as heroes who gave their life for a good cause. The commander went back to chomp on his cigar knowing that there would be a lot more soldiers willing to die on command. Good to play God and decide who lives and dies.  The war on Covid-19 has many similar components and particularly now that we have hired army commanders to ensure that the yet to materialize vaccine is distributed and injected with precise military efficacy. From my perspective the citizens of this country still have a long wait before this plan comes to fruition and in the meantime decisions to either live or die are being made by the medical establishment. While planning is important in every aspect it is also imperative that we be told the reality of the situation so that false hopes don’t become a reality of political gamesmanship.

For a number of months now one of the most common buzzwords is “front line workers”. These workers are often referred to as heroes for the work they perform. While commendations should be placed upon these individuals, understanding who all the front line workers are is essential to understand the way society is functioning today. The often-mentioned workers are nurses, doctors, firefighters and paramedics, but what about all others who should be considered and spoken about? There are many who make a difference in society for the betterment of others and on a daily basis step up and out on the streets and towns of every country and do gods work. Think of parents who are confined to their homes taking care of children and the elderly, think of those sleeping on the streets and what would happen if good Samaritans didn’t provide comfort to them everyday? Think of strangers with kind words for those who never hear any.

Think of teachers, garbage pickers, food preparers, politicians and many others who perform their jobs knowing that it’s a necessary component for survival. Some may ask why politicians when so many are being criticized for the work they are doing. Credit has to be given to them for withstanding the daily pressures of governance in an atmosphere of uncertainty. They are not experts or educators and rely on advice of many that have little experience in street life and therefore don’t understand the common people. The daunting challenge of looking after the sick and the poor often falls on hands of people who have never been marginalized or been hungry, so how can they understand? Let’s honour all components of society who put themselves at the forefront of the issues that afflict us without thinking about themselves first.

The legacy of this pandemic may be the tumult of mental illness and racial awakening. This war has been fought for many years but is now accentuated. The fear about the loss of civil liberties is leading to insurrection by many who fear that loosing power will create a vacuum which will be filled by political operatives rather the common citizen. The fallacy about power is that it can’t be lost or gained. It’s a perceptual concept that we populate our brains with. Front line leadership with visions of hierchal thoughts acerbate the concept of power with messaging suggesting that to follow their actions will make a difference to society often discounting the fact that the followers try to achieve their results with violence.

Martin Luther king was a front line worker orating thousands of beautiful phases while attempting to get social equality for all. People made him a hero but where are the results today? Black Lives Matter has taken on the baton of the hero claiming they want non-violent protest and social equality. Are these the front line workers we want to achieve this? 80 million Americans don’t think so. Embracing those who lead to comfort society will achieve the results we need to get and where we need to go. Lets all be front line workers without the need to be called heroes.

Manuel DaCosta/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER