Editorial

O negócio dos seguros

Editorial

Mais uma viagem pela autoestrada 400, no meio de centenas de carros, que lutam por espaço que não existe. Este é o mundo em que vivemos, num sistema de transportes públicos ineficiente, onde o carro predomina como meio de transporte. Todos os dias acontecem centenas de acidentes que são repetidos, devido à frustração e à falta de habilidades de condução que dominam o nosso trajeto diário. Todos os anos, os danos automóveis, o tempo que se perde e as procissões constantes ao sistema judicial, liderada por advogados de danos pessoais que processam todos envolvidos e somam milhares de milhões de dólares. Afinal quem paga pelo privilégio de conduzir? Os condutores, claro, mesmo que alguns pensem que são as empresas de seguros.                                                      

A palavra “seguro” projeta uma imagem de proteção num mundo caótico. Na realidade, o seguro só se aplica nas nossas vidas se tomarmos medidas para nos protegermos. O negócio de seguros é praticado por empresas sem rosto, cujo único interesse é cobrar o máximo possível para encher os cofres dos acionistas e gerar o máximo de comissão possível para aqueles que vendem o seu produto. Supostamente, o seguro é uma ação ou acordo no qual uma empresa ou agência governamental garantem uma compensação por uma perda específica, doença ou morte em troca de um pagamento “premium”. Este procedimento depende do nosso comportamento e adesão a elevados padrões pessoais para que as condições da apólice de seguro não sejam quebradas. As pessoas devem relembrar-se que um seguro é um contrato entre eles e a empresa de seguros. O contrato é escrito por advogados sofisticados com o único propósito de proteger a companhia de seguros. Nós, como consumidores, não podemos alterar as palavras do contrato. É um documento que só beneficia um lado e que nos retira o direito de equilibrar as obrigações.

Em média, no Ontário, a apólice de seguro automóvel tem um custo anual de $1,920.00 comparada com a média anual de $1,320.00 no Canadá. Ontário apresenta o custo mais elevado de todo o país e alguns talvez questionem o porquê. A demografia da população dita a quantia paga, com base no local onde vive, a cor da sua pele e o seu género. Estas condições são cuidadosamente monitorizadas pelas empresas e os custos são ajustados anualmente. Todos os anos, quando renova a apólice, existe um choque perante o aumento, mas lembre-se que o aumento do seguro baseia-se em acontecimentos mundiais e não necessariamente devido ao seu registo pessoal. Em 2019, o prejuízo das empresas de seguros atingiu os $1.3 mil milhões no Canadá.

As empresas de seguro gastam milhares de milhões em publicidade, mostrando condições idealistas para uma proteção, com custos razoáveis, onde os representantes da empresa interagem com o consumidor. Na verdade, só conhecemos um “Broker” (agente) independente, que muitas vezes repreendemos porque o seguro aumentou. O que é um Broker? Os Brokers são compradores sofisticados que representam um número de empresas que, com o dinheiro que você paga, lhes pagam uma comissão.

Eles vão a uma “loja” e os melhores, se tiverem integridade, irão procurar a melhor batata com o custo mais razoável. Outros irão dar-lhe uma batata podre com o custo mais elevado porque a compensação financeira é mais elevada. Escolher bem pode poupar-lhe milhares de dólares num mercado que não se importa se você é ou não cliente.

A amálgama de seguradoras está a criar megaempresas, espalhadas a nível mundial, que baseiam o seu retorno no quanto podem lucrar consigo. Lembre-se que não se importam consigo. Os consumidores têm contribuído com o aumento dos “Premium” ao apoiar ações fraudulentas conduzidas pelas oficinas, pelas empresas de reboque e pela encenação de acidentes automóveis. No final, você paga a empresas que estão protegidas pelo Governo e por advogados e o escalar dos custos parece não ter fim. No Ontário, a fraude tem um custo anual de mil milhões de dólares. No entanto, existe um conforto com as promessas governamentais de baixar as taxas de seguro. Tanto o anterior como o atual Governo comprometeram-se com uma redução de 15% nas taxas de seguro. A sério? Nunca irá acontecer, para vencer eleições fazem-se promessas falsas em coisas que existem para nos proteger, que vergonha… não admira que o público não tenha confiança nas palavras vazias dos políticos, das seguradoras e daqueles que as representam.

O seguro é a forma que escolhe para se proteger. O falso compromisso com os outros é uma necessidade para o benefício deles.

Ainda a conduzir na autoestrada 401, a 20km/hora numa estrada onde se deveria ir a 100km/hora. Pelo menos a música é boa.

Manuel DaCosta/MS

Editorial in English

The Insurance Business

Another trip down highway 400 in the middle of hundreds of cars fighting for space that doesn’t exist. This is the world we live in where the car predominates the method of transportation because of an ineffective public transit system. Every day hundreds of accidents happen which will be repeated on a daily basis because of frustration and lack of driving abilities which dominate our daily commutes. Billions of dollars each year are spent on damage to cars, lost time and a constant procession to the court system by personal injury lawyers who are litigating against anyone in sight. In the end who pays for the cost of having the privilege to drive? The drivers, of course, even if most may think that it’s an insurance company.

The word “insurance” conjures images of protection in a chaotic world. In fact, insurance only applies to our lives if we take steps to protect ourselves. Insurance is a business practiced by faceless companies whose only interest is to charge as much as possible to fill the coffers for shareholders and to generate as much commission as possible for those who peddle their products. Supposedly, insurance is a practice or arrangements by which a company or government agency provides a guarantee of compensation for a specified loss, illness or death in return for payment of a premium. This of course is dependent on your behavior and adherence to high personal standards so that you don’t breach the conditions of your insurance policy. People should always remember that insurance is a contract between you and a company. The contract is written by sophisticated lawyers for the sole purpose of protecting the insurance company and you as the consumer have no input into the wording of the contract. It’s a one-sided document stripping you of all rights to balance the obligations.

The average insurance policy in Ontario costs $1,920.00 per year compared to the Canadian average $1,320.00. Ontario has the highest costs in Canada and some of you may wonder why. The population demographics dictates the amount you pay based on where you live, the colour of your skin or your gender. These conditions are carefully monitored by companies and costs are adjusted on a yearly basis. Every year as you renew, the shock of an increase sets in but remember the upsurge of insurance rates based on world events and not necessarily on your personal record. In 2019, losses by car insurance companies in Canada reached $1.3 billion.

Insurance companies spend billions in advertising showing idealist conditions of your protection at reasonable costs where company representatives interact with consumers. In fact, you never meet these people but only and independent “Broker” who you often berate because your insurance has gone up. What is a “Broker”? Brokers are sophisticated shoppers who represent a number of companies and get paid commissions with your money. They will go to a “grocery” store and the good ones will look for the best potato at the most reasonable cost if they have integrity. Others will give you a rotted potato at the highest cost because the financial compensation is higher. Choosing well can save you thousands of dollars in a shrinking market where companies don’t really care if they have you as a client.

The amalgamation of insurance companies is creating megacarriers spread worldwide who base their returns on how much they can make on you. Remember they don’t care about you. Consumers have contributed to the rise of premiums by supporting fraudulent actions by repair garages, towing companies and staging of car crashes. In the end you pay companies which are protected by governments and sophisticated lawyers and the upward spiral of costs appears to have no end. Fraud costs in Ontario are $1 billion per year. But there is a comfort in governments promising cuts in insurance rates. Both the previous and current governments committed to a 15% reduction in insurance rates. Really? It will never happen, false promises to win elections on things that exist to protect us in shameful and it is no wonder that the public has no trust in the empty words of elected officials, insurance companies and those who represent them.

Insurance is how you choose to protect yourself. The false engagement of others is a forced necessity for their benefit.

Still driving on highway 400 at 20km/hour on a road designed for 100km/hour.

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER