Editorial

Linhas de Roupa

Moda. Nada parece definir melhor a nossa personalidade do que as roupas que usamos. As roupas comunicam aos outros aquilo que as palavras não dizem. Numa era em que é a imagem que nos define e tem relevância em tudo aquilo que fazemos é imperativo projetarmos a nossa personalidade de forma a que as suposições criadas estejam de acordo com a visão que criamos de nós próprios.

A moda é uma expressão estética de nós próprios, num certo período de tempo e num contexto que depende da ocasião. A roupa, o calçado, o estilo de vida, os acessórios, a maquilhagem ou os penteados compõem a maioria das modas. E as proporções corporais, normalmente, ditam o tipo de roupa que escolhemos, mesmo que proporção seja a palavra mais mal-entendida no mundo da moda no que diz respeito à escolha de roupas e acessórios. Claro que a moda muda com as estações e as coleções dos desfiles de alta costura providenciam expressões de estilistas que perduram por várias estações, realçadas por movimentos culturais e mercados sociais, símbolos, classe e cultura. O sociólogo Pierre Bourdieu defende que “a moda é a última moda, a última diferença”.
A moda é influenciada por diversos fatores, incluindo o cinema, as celebridades, o clima, as explosões criativas, questões políticas, culturais, sociais e tecnológicas. As escolhas pessoais sobre aquilo que usamos são muitas vezes baseadas na forma como vemos o nosso corpo e em fatores socioeconómicos. As roupas e os acessórios podem ser um fardo financeiro se tentarmos vestir sempre as últimas tendências.

Muitos preferem não pagar a renda desde que estejam a usar o vestido e os sapatos mais recentes.
Ao ver a população em diferentes momentos do ano, pode dizer-se que a maioria não sabe, nem percebe, o que fica apropriado para a sua imagem ou para o seu tipo de corpo. É duvidoso que a maioria olhe para as representações harmoniosas do seu tipo de corpo ou formas, senão não usariam certos tipos de roupas. A palavra “desajeitado” é muitas vezes utilizada para homens que não têm orgulho no seu vestuário – muitas vezes frequentam locais chiques em calções e t-shirt. E depois ainda há aqueles que sentem que pintar imagens e obras de arte, na sua pele, envia uma mensagem especial aos outros, que eleva a sua personalidade. Há quem defenda que não é mais do que um pedido de ajuda. A ideia de que, durante toda a vida, nos vamos identificar com uma tatuagem, rebaixa a autoconfiança que um corpo limpo garante. Talvez esta seja uma pressão social incontrolável criada por indivíduos a quem falta um equilíbrio na forma como vêm a vida.

Numa sociedade onde as aparências são primordiais na vida das pessoas, os indivíduos modificam cada vez mais os seus corpos e aspeto. Embora as roupas e acessórios continuem a ser a parte mais importante do impacto visual, existem indivíduos a pintar, a sugar gordura, aumentar/diminuir partes do corpo, a colocar botox e a aplicar mais maquilhagem do que nunca. A moda que acentua a nudez e evidencia certas partes do corpo tem criado empresas de biliões de dólares e o movimento Kardashian espalhou-se por todo o mundo, onde as redes sociais são o local onde as pessoas vivem os seus sonhos e falhanços ao tentar competir com os impossíveis tipos de corpo das modelos e onde o exibicionismo é a norma. A realidade que ligava a beleza ao estilo já não existe e, ao invés, vivemos com a perceção de que tudo o que interessa são os comentários positivos dos outros.

Imaginem quando o primeiro homem e a primeira mulher se tentaram vestir. Provavelmente ponderaram qual as áreas que deveriam cobrir e com que pele de animal o deviam fazer. Hoje, existem milhares de mensagens de designers, e outros, que nos dizem o que vestir, criando um mundo de confusão e caos – as decisões erráticas criam um mundo de vestuário descartável porque as vestimentas de outra pessoa parecem melhores.
Talvez devêssemos voltar ao início e andarmos nus, cobertos de tatuagens. Certamente que iria resultar em mais gargalhadas e reduziria a exploração do trabalho infantil em muitos países. Estou apenas a dizer…

Manuel DaCosta

Cartoon: Stella Jurgen

Clothes Line

Fashion. Nothing appears to define our personalities more than clothes we wear. Clothes speak to other without the wearer communicating any words. In an era where image defines us and has a relevance in everything we do, it is imperative that we project our personalities in a manner that assumptions are in line with the vision we create for ourselves.

Fashion is an aesthetic expression of ourselves, at a certain time and in a context depending on the occasion. Clothing, footwear, lifestyle, accessories, makeup or hairstyle compose most fashion and body proportions usually dictate the type of apparel we choose even if generally proportions is the most misunderstood word in fashion when it comes to our choice of clothing and accessories. Of course, fashion changes with seasons and collections at Haute Couture shows provides stylistic expressions that last over several seasons enhanced by cultural movements and social markets, symbols, class and culture. Sociologist Pierre Bourdieu suggests that “the latest fashion, the latest difference”. Fashion is a social signifier in a certain time and context.

Fashion is influenced by several factors, including cinema, celebrities, climate, creative explosions, political, cultural, social and technological fashion trends. Personal choices on what we wear are often based on how we view our bodies and social economic factors. Clothing and accessories can be a financial burden if we attempt to wear the latest trends.

Many would rather not pay the rent as long as they are wearing the latest dresses, shoes, etc.
In viewing the population at different times of the year, it can be said that most don’t know or understand what looks appropriate for their image of body type. It’s doubtful that many look at the harmonious representations of their body types and shapes, otherwise they would not wear certain outfits. The word “slob” is often used for men who have no pride on their outfits, often showing up at high end places in shorts and t-shirts. Then there are those who feel that painting images and artwork on their skin somehow messages to others, a special communication which uplifts their personalities. It would be suggested that this is a cry for attention. The intimation that for an entire lifetime we get identified by a tattoo must degrade the self-confidence that a clean body provides. Perhaps this is social pressure having run amok creating individuals which are unbalanced in their views of life.

In a society where appearances are paramount in people’s lives, individuals are modifying their bodies and looks more than ever. While clothing and accessories remain the main staple for visual impact, individuals are painting, sucking fat, increasing/decreasing the size of body parts, botoxing and applying makeup more than ever. Fashion that accentuates nakedness and enhanced body parts has created billion dollars corporations and the Kardashianism movement has spread across the world where social media is the place where people live their dreams and failures trying to match impossible body shapes of models and where exhibitionism is the norm. Reality that connects beauty and style no longer exists and instead we live with a perception that positive comments from others are all that matter.

Imagine when the first men and women attempted to dress themselves. They probably wondered what they should cover and which animal skin to do it with. Today are thousands of messages from designers and others telling us what to wear, creating a confusing and chaotic world where erratic decisions create a world of disposed apparel because someone else’s coverings look better.

Perhaps we should go back to the beginnings and all walk around naked, covered in tattoos. It would certainly result in more laughter and cut down on child labour abuse in many countries. Just saying…

Manuel DaCosta

Cartoon: Stella Jurgen

Autor(a):
Fonte:

Redes Sociais - Comentários

Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close