Futebol

Grandes goleadas

A época natalícia parece ter inspirado os grandes do futebol português. Na sua sacola de Pai Natal trouxeram uma mão cheia de golos e distribuíram-nos pelas equipas que encontraram nesta 14.ª jornada. Mas vamos por partes!

Logo a abrir mais uma ronda tivemos um Portimonense – Rio Ave, que terminou empatado a uma bola. Diego Lopes marcou, aos 21’, pelos vilacondenses e aos 79’, já reduzido a 10 por expulsão de Henrique aos 66’, o Portimonense chegou ao empate por Jadson.

Os algarvios ocupam a primeira posição logo acima dos lugares de descida, com 12 pontos, enquanto que o Rio Ave ocupa o sexto lugar em igualdade com o Vitória de Setúbal, que recebeu e venceu o Desportivo das Aves, último classificado, por 1-0. Hildeberto Pereira foi o autor do tento, aos 59’.

Depois da goleada sofrida na jornada passada, o Boavista parece ter perdido o rumo e somou agora mais uma derrota – desta feita frente ao Marítimo. Na Madeira, o único golo da partida foi marcado por Idris, na própria baliza, logo no primeiro minuto de jogo. Para complicar ainda mais a tarefa axadrezada, Dulanto viu a cartolina vermelha aos 47’. Grande queda para o Boavista que é agora 9.º, com 18 pontos – os mesmos que Braga e Tondela.

E por falar em Braga, também a equipa de Sá Pinto parece já ter visto (muito) melhores dias. A boa performance nas competições europeias não se transpõe para o campeonato e os Guerreiros do Minho, a jogar em casa, viram o Paços de Ferreira impôr-lhes a sua segunda derrota consecutiva. O único golo da partida surgiu do único remate que o penúltimo classificado fez à baliza na primeira parte. Um poderoso remate de Douglas Tanque, aos 38’, fez com que o Braga falhasse o assalto ao quinto lugar e com que o treinador dos arsenalistas acabasse a partida a ouvir assobios e a ver lenços brancos.

Já Vítor Campelos saltou essa etapa e passou logo para a parte de abandonar o comando técnico do Moreirense. Uma decisão que surge após a vitória dos cónegos sobre o Belenenses, por 2-1, e que por isso deixou algumas dúvidas no ar. Apesar disso, a equipa de Moreira de Cónegos parece já ter encontrado um sucessor para Campelos: Ricardo Soares, que atualmente orienta o Sp. Covilhã e que já tem experiência de I Liga – orientou o Desportivo das Aves na época passada e o Desportivo de Chaves na época anterior. Amigo não empata amigo…

Em Barcelos, os anfitriões estiveram a vencer o Vitória Sport Clube por 2-0 (Claude Gonçalves, aos 28’, e Kraev, aos 32’), já depois de Sandro Lima ter desperdiçado uma grande penalidade logo aos nove minutos, e acabaram mesmo por se deixar empatar (Marcus Edwards, aos 68’, e Davidson, aos 86’). Os vimaranenses permanecem assim em quinto lugar, com 21 pontos, enquanto que o Gil Vicente é 12.º, com 17.

Vamos então à chuva de golos. Começamos pelo Estádio da Luz, onde os encarnados não tiveram dificuldades em tombar o Famalicão. Os minutos iniciais até foram equilibrados, com uma boa resposta da defesa famalicense às investidas das águias, mas aos 39’, Defendi foi incapaz de travar Vinícius, que marcou pela quarta partida seguida.

A segunda metade abriu com novo golo – Chiquinho cruzou para o coração da área, Riccieli cortou o lance, deixando a bola à mercê de Pizzi que rematou forte e com sucesso. Inspirado, o internacional português chegaria ao bis aos 63’. Já em “velocidade cruzeiro” e em clara gestão de resultado, ainda houve tempo para uma estreia a marcar com a camisola encarnada: Caio Lucas, aos 89’, fechou a partida com chave de ouro.

O Famalicão é agora quarto classificado, com 24 pontos, já que o Sporting, também pelo mesmo resultado, venceu fora o Santa Clara. Nem mesmo a desprezível atitude dos que se dizem adeptos à chegada aos Açores fez os leões tremer: confiantes e com uma estratégia bem montada, conseguiram fazer com que a partida fosse de sentido único – o do fundo das redes açorianas. Luiz Phellype bisou, aos 40’ e 47’, Bolasie fez o terceiro aos 54’ e Bruno Fernandes, aos 60’ e da marca dos onze metros, fechou as contas.

Os leões deram a melhor resposta possível à estupidez e estão, finalmente, no pódio.

No Estádio do Dragão, seguiu-se o ditado “três foi a conta que Deus fez”. Ante o Tondela, os azuis e brancos foram claramente superiores – de facto, não se observaram situações de verdadeiro perigo por parte dos beirões junto da baliza portista. Tiquinho Soares bisou na primeira parte (10’ e 32’) e Otávio, aos 51’, consumou a vitória da equipa de Sérgio Conceição. A fortaleza portista continua, assim, invicta – já lá vão 12 encontros sem sofrer golos em casa. O Tondela ocupa o 10.º lugar da Liga, com 18 pontos, enquanto que o F.C. Porto ocupa o segundo posto, a quatro pontos do líder Benfica.

Inês Barbosa

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER