Canadá

Banco Central espera ver crescimento no terceiro trimestre deste ano

À medida que mais locais de trabalho reabrem, os canadianos são confrontados com o desafio de voltar ao trabalho depois de receberem recomendações durante meses para ficarem em casa. Dados sobre recusas de trabalho relatados às autoridades do trabalho das várias províncias revelam que houve um aumento no número de pessoas que se recusaram formalmente a trabalhar devido a condições perigosas, mas praticamente nenhuma dessas recusas foi aceite. Todas as províncias têm leis que permitem que as pessoas recusem trabalhos perigosos, mas o medo de contrair COVID-19 não é suficiente. A CBC teve acesso a estes dados e constatou que os principais casos são sobretudo de trabalhadores que estão preocupados com o distanciamento físico inadequado ou a falta de equipamento de proteção. As recusas de trabalho são comunicadas ao Ministério do Trabalho ou a uma comissão de segurança no local de trabalho, dependendo da província, que envia um inspetor para avaliar o caso. Ontário registou o maior número de recusas de trabalho, cerca de 280 desde janeiro até junho, mas apenas uma foi aprovada pelo Ministério do Trabalho.

O PM Justin Trudeau disse segunda-feira (22) que, embora a pandemia da COVID-19 tenha sido um “desafio sem precedentes”, está a abrir oportunidades para repensar e remodelar o futuro do Canadá. Trudeau também falou sobre a necessidade de as empresas se continuarem a adaptar para abrirem em segurança e lamentou a decisão da China de prender dois canadianos que estão a ser acusados de praticarem espionagem.

crescimento no terceiro trimestre deste ano
Crescimento no terceiro trimestre deste ano

México volta a enviar trabalhadores temporários para o Canadá

O México vai voltar a enviar trabalhadores temporários para o Canadá. Os dois países chegaram a um acordo e o Canadá comprometeu-se a melhorar as condições de segurança nas quintas durante a pandemia. O México tinha informado na semana passada que ia parar de enviar trabalhadores temporários para o Canadá depois de dois trabalhadores terem morrido após terem sido infetados com COVID-19. Até agora já foram confirmados surtos de COVID-19 em 17 quintas canadianas e no passado domingo (21) morreu o terceiro trabalhador mexicano depois de ter contraído o novo coronavírus. O Canadá espera receber 60.000 trabalhadores temporários estrangeiros, vindos sobretudo da América Latina e do Caribe, para trabalhar na agricultura.

Pandemia altera celebrações do Dia do Canadá

A pandemia da COVID-19 vai alterar a celebração anual do Dia do Canadá. A governadora-geral Julie Payette normalmente anuncia uma lista dos novos nomeados à Ordem do Canadá a 1 de julho, mas este ano o seu escritório avança que vai ser impossível porque a reunião do conselho consultivo que recomenda os candidatos e que deveria ter acontecido na primavera acabou por ser cancelada devido à pandemia. O conselho, que se reúne duas vezes por ano pessoalmente para discutir indicações, não se deve reunir até novembro.

O responsável pelo orçamento parlamentar estima que prolongar o CERB mais oito semanas vai custar ao Governo Federal $17,9 mil milhões. O novo relatório foi divulgado esta semana e até agora o Fundo de Emergência Nacional custou $60 mil milhões. O CERB paga $2,000 por mês para aqueles que perderam o trabalho durante a pandemia. O Governo de Justin Trudeau preparava-se para suspender o CERB, à medida que a economia reabre, mas o NDP pressionou o PM para manter o fundo ativo para ajudar os canadianos que continuam desempregados.

Canadianos não querem reduzir distância física

Um novo estudo sugere que dois terços dos canadianos não querem aliviar as regras de distanciamento físico impostas para conter a propagação da COVID-19. Se porventura as regras fossem aliviadas, menos da metade diz que se ia sentir confortável em participar em atividades com contacto físico próximo, como ir ao cinema. 66 por cento dos participantes do estudo, realizado pela Leger e pela Association for Canadian Studies, disseram que os dois metros devem permanecer como a distância segura que deve ser mantida entre as pessoas. Apenas 12% favoreceram a redução da distância para 1,5 metros, como é exigido em muitos países europeus, e 10% favoreceram a redução para um metro, o mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde. Se a regra do distanciamento físico fosse reduzida para um metro, 40% disseram que se sentiriam confortáveis jantar num restaurante, 28% num cinema, 24% num ginásio e 21% num bar.

O principal banqueiro central do Canadá diz que a pandemia de COVID-19 vai provocar danos económicos a longo prazo na economia, à medida que o país traça um plano “prolongado e instável” de recuperação. No seu primeiro discurso como governador, Tiff Macklem diz que o Banco Central espera ver crescimento no terceiro trimestre deste ano, quando as pessoas voltarem ao trabalho e as famílias retomarem algumas de suas atividades normais à medida que as restrições diminuem. Mas Macklem alerta que os canadianos não devem contar com uma recuperação económica a curto prazo nos próximos meses. O governador do Banco do Canadá alertou que a combinação de reaberturas desiguais entre províncias e indústrias, o curso desconhecido da confiança do consumidor e as taxas de desemprego vão “provavelmente infligir algum dano duradouro à procura e à oferta”. Macklem explica que as regras de distanciamento físico podem significar que os locais de trabalho não podem ser tão produtivos quanto antes e acrescentou que em muitos serviços vai continuar a ser difícil de fornecer.

Pagamentos do CERB estão a ser corrigidos

Alguns canadianos estão a receber este mês pagamentos do CERB inferiores ao que esperavam. A CBC News avança que o Governo Federal está a corrigir pagamentos que foram emitidos em excesso nos primeiros meses do subsídio. Uma fonte do Ministério do Emprego informou que algumas pessoas receberam pagamentos adiantados maiores do que outras quando o programa de ajuda foi lançado. Aqueles que eram elegíveis para o subsídio de desemprego receberam dois pagamentos quando o programa CERB começou e agora atingiram o máximo de $8.000 no período inicial de quatro meses. O Governo esclarece que os depósitos duplos não foram um erro e que os ajustes vão ser feitos nos próximos cheques.

O Governo Federal vai voltar a usar processos de licitação competitiva para obter o equipamento de proteção individual necessário em todo o país para combater a COVID-19. A ministra de Compras diz que o processo que normalmente é usado para adjudicar contratos vai aplicar-se apenas em situações em que existe tempo suficiente para fazer uma licitação. O Governo tem comprado equipamento de proteção individual nos últimos meses e muitos contratos foram assinados usando isenções de segurança nacional para acelerar rapidamente a grande procura global. Anita Anand informou numa conferência de imprensa que mais nove aviões de carga com suplementos, como luvas, batas e máscaras, chegaram na semana passada ao país e que nos últimos dias chegou ao porto de Vancouver o 13.º carregamento de desinfetante para as mãos.

Joana Leal/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW