BlogAmbiente

Mutualismo obrigatório

Mutualismo obrigatório-mundo-mileniostadium

 

Quando dois ou mais indivíduos têm uma relação interespecífica, em que ambos saem beneficiados, é considerada a existência de simbiose. Pressupõe-se que a simbiose é uma associação intrínseca e permanente entre seres vivos de pelo menos duas espécies diferentes, sendo a sobrevivência de ambas as espécies assegurada em função das interações metabólicas ou de outros vetores, indispensáveis à sua existência.

Esta definição não é consensual, muitos cientistas consideram que, não havendo benefício, ou havendo mesmo prejuízo para um dos simbiontes, continua a haver simbiose. No senso comum, e na perspetiva mais aceite, nesta relação desequilibrada, estaremos na presença de parasitismo e não propriamente de simbiose.

Existem imensos tipos de simbioses. O extremo da dependência absoluta mútua bioquímica para a sobrevivência acontece no caso das térmitas e dos protozoários que vivem no seu sistema digestivo. As térmitas alimentam-se de madeira, no entanto são incapazes de digerir celulose, os protozoários que vivem exclusivamente no sistema digestivo das térmitas seriam incapazes de sobreviver no exterior, sendo dependentes da celulose ingerida por estas, fazendo a digestão que as térmitas necessitam. Um sem o outro não sobreviveriam.

O mesmo acontece com os líquenes, sendo estes também um exemplo paradigmático de mutualismo obrigatório. Os líquenes são associações de certas algas (ou bactérias) com fungos. As bactérias ou algas fornecem aos fungos açúcares produzidos pela fotossíntese, os fungos, por sua vez, disponibilizam água e nutrientes, absorvidos do meio, às algas ou às bactérias. Esta entidade a que chamamos líquen é na realidade o resultado de dois seres vivos que vivem em simbiose absoluta e não existiriam isoladamente.

Além deste tipo de simbioses, de mutualismo obrigatório, existem outras em que a relação simbiótica não é imperativa, mas revela-se claramente profícua aos participantes.

O mutualismo é um tipo peculiar de simbiose. Na biologia, mutualismo é um relacionamento entre indivíduos de espécies diferentes durante longo prazo, pelo qual ambos os indivíduos beneficiam. A relação mutualística pode ser obrigatória para ambas as espécies (como no caso dos líquenes), obrigatória apenas para uma (como no caso das rémoras, que se fixam aos tubarões e se alimentam das sobras da sua caça, não fazendo qualquer falta aos tubarões, porém sendo muito difícil a existência isoladamente desse tipo de rémoras), ou facultativa para ambos.

Relações simbióticas e ecológicas são imensas, desde as garças-boieiras que se alimentam de insetos beneficiando mamíferos, passando pela nossa relação com animais de estimação, que guardam a casa ou nos amaciam os maus dias em troca de comida, abrigo e mimos. A interação, dependência, mutualismo, simbiose, comensalismo, proto cooperação, existem de forma geral em todo o planeta. Indo um pouco mais além, assumindo uma perspetiva macro, olhando para toda a vida na Terra, todo este gigantesco sistema é uma imensa e complexa soma, divisão, multiplicação e divisão de simbioses.

Leia mais artigos sobre o Ambiente, clica aqui.

Na pequena escala do meu lar e espaços circundantes, vivo simbioticamente com gatos, cães, morcegos, cobras, galinhas, aranhas, diversas plantas, árvores, lagartixas, besouros, borboletas, toupeiras, aves diversas, etc., etc. Todos eles me trazem benefícios, mantendo outros seres em números equilibrados, sejam ratos, mosquitos, parasitas, ou simplesmente dando-me sombra ou frutos, eliminando resíduos, ou permitindo que os afague, que saboreie aromas de plantas, e tantos mais benefícios que me proporcionam, e eu apenas tenho que partilhar o meu espaço, partilhar água, garantir algum conforto e alimentação a alguns… Saímos todos beneficiados e pensando um pouco mais profundamente e aumentando novamente a escala, apenas se revela uma única possível conclusão… a Terra é uma entidade idêntica a um líquen, um organismo composto por outros organismos, dependentes entre si, seres vivos que vivem em simbiose absoluta e não existiriam isoladamente. Simbiose. Mutualismo obrigatório.

Paulo Gil Cardoso/MS

Redes Sociais - Comentários

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER