Madeira

Requalificação de Câmara de Lobos vai custar 6,7 milhões

Conforme já havia avança o DIÁRIO, no passado mês de Fevereiro, o presidente do município de Câmara de Lobos apresentou uma candidatura ao programa europeu Madeira 14-20 para requalificação e regeneração urbana da frente-mar daquela localidade. O projecto custará 6,7 milhões de euros.

“A intervenção pretendida pela autarquia implica um investimento global na ordem dos 6,7 milhões de euros, sendo que a edilidade pretende conseguir um financiamento comunitário na ordem dos 5,4 milhões, ficando o valor remanescente a encargo do orçamento municipal”, explicou Pedro Coelho à Lusa.

A intervenção circunscreve-se ao perímetro urbano da frente marítima da cidade de Câmara de Lobos, compreendida entre a entrada este da cidade, junto à ponte da ribeira dos Socorridos, e o limite oposto, junto à Praça da Autonomia e ao Largo de São Sebastião.

“Esta operação visa complementar um conjunto de intervenções públicas no eixo da linha da costa e frente-mar (Praça da Autonomia – ETAR – Rua São João de Deus – Salinas), no contexto urbano da cidade e do espaço público, assumindo destaque o ponto central da cidade, na baía de Câmara de Lobos, com a construção de uma praça de contemplação e mirante sobre a magnífica baía”, especificou.

A candidatura visa o prolongamento do actual passeio marítimo (localmente conhecido como “promenade”) Lido-Câmara de Lobos, além do seu actual limite.

Este passeio marítimo liga actualmente a cidade do Funchal a Câmara de Lobos e “existe um conjunto de barreiras urbanísticas e orográficas que criam constrangimentos à mobilidade e à fruição do espaço público pelas pessoas”.

Pedro Coelho reconhece que os projectos em curso pretendem também desmistificar uma “percepção errada” sobre a realidade do concelho de Câmara de Lobos.

“No passado existiram alguns focos graves de problemáticas sociais, relacionadas com pobreza, falta de habitação, mendicidade, entre outros, que marcaram, de uma forma genérica, a representação social produzida sobre a generalidade do concelho”, referiu, argumentando, contudo, que “a globalidade do concelho estava, e sempre esteve, bem integrada no contexto social global da região”.

O antes conhecido como “ilhéu de Câmara de Lobos” foi disso um exemplo — havia, exemplificou, “focos de grande miséria, em alguns agregados, que em certa medida, e de forma preconceituosa e estereotipada, contagiaram a representação social que se fez sobre todo o concelho”.

Pedro Coelho recordou dados de 2018 que indicam que o concelho é o sexto, na Madeira, com menor percentagem de beneficiários do Rendimento Social de Inserção.

Hoje, disse, Câmara de Lobos é um local diferente: “Apesar de haver ainda muitas coisas por melhorar no concelho, a realidade actual é muito diferente aquela que era há cerca de 10 ou 20 anos”.


Autor(a):
Fonte:

Redes Sociais - Comentários

Fonte
DN Madeira
Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

Close
Close