Madeira

Quercus visa Governo Regional da Madeira na polémica da aquacultura

Através de comunicado enviado à redacção, o Núcleo Regional da Quercus na Madeira “lamenta a inabilidade do Governo Regional em compatibilizar as actividades ligadas ao sector do turismo e a aquicultura nas áreas costeiras da Região, originando um conflito de usos prejudicial para todos”.

“Lamentamos também a falta de informação atempada e rigorosa sobre os projectos de aquicultura previstos para os concelhos da Ponta de Sol e da Calheta e deploramos que se os pretenda impor, sem considerar a opinião das populações dos municípios afectados. O Núcleo Regional da Quercus – Madeira solidariza-se com as populações destes concelhos”, pode ler-se na nota.

“Compreendemos os sentimentos de mal-estar, indignação e revolta das populações, que percepcionam a aquicultura como uma actividade de sustentabilidade questionável, que usa a área costeira dos concelhos, neles deixando pouco rendimento (comparativamente com os lucros que gera) e desvaloriza a paisagem – um bem percebido como muito importante para o turismo, gerador de maior riqueza. A repartição muito desigual das vantagens e desvantagens dos projectos de aquicultura (em que uns ficam com o filete e outros com as espinhas), a falta de informação sobre os projectos e a ausência de Avaliação de Impacte Ambiental suscitam ao Núcleo Regional da Quercus – Madeira muitas reservas relativamente à implementação destes projectos”, escreve ainda o Núcleo Regional da Quercus.

“Face à recente disponibilidade do Sr. Secretário Regional de Mar e Pescas para informar melhor a população sobre o tema, solicitamos resposta às seguintes questões:

1 – Qual a dimensão (toneladas produzidas/ano) e localização dos projectos previstos? Qual a dimensão e localização das explorações em actividade?

2 – Os projectos previstos têm planos de gestão ambiental?

3 – Quais as densidades populacionais previstas nas jaulas?

4 – Relativamente à alimentação, qual a sua composição? Qual a percentagem de ingredientes de origem marinha? Qual a percentagem de pescado selvagem capturado de modo sustentável que entra na composição dos ingredientes de origem marinha? Quantos quilos de peixe selvagem são necessários para produzir 1 kg de dourada? Os ingredientes de origem terrestre podem ser rastreados? É conhecida a sua proveniência e modo de produção?

5 – São utilizados antibióticos preventivamente? Quais? Qual a dosagem? São usados desparasitantes? Quais e em que dosagens? São utilizados promotores de crescimento e/ou hormonas nalguma fase do ciclo de vida dos peixes? Que outros produtos farmacêuticos são usados?

6 – Foram efectuados estudos sobre os efeitos no ambiente marinho das explorações em actividade na região durante as últimas duas décadas? Onde podem ser consultados?

7 – Finalmente, gostaríamos de saber qual o nível de tratamento actual da ETAR da Ponta do Sol. Qual a localização do ponto de descarga? As águas residuais descarregadas cumprem os valores dos parâmetros estipulados na respectiva licença de descarga? Onde podem ser consultadas as análises efectuadas?”.

DN Madeira

Redes Sociais - Comentários

Fonte
DN Madeira

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW