Madeira

Nasceram 1.919 bebés na Madeira em 2018

menos 31 do que em 2017

Os resultados definitivos das estatísticas demográficas de 2018 indicam para a Região Autónoma da Madeira (RAM) um saldo natural negativo de 811 indivíduos, inferior ao de 2017 (-553 indivíduos), resultante de um número de nados-vivos (1.919 indivíduos) inferior ao número de óbitos (2.730 indivíduos).

Dos 1.919 nados-vivos filhos de mães residentes na RAM registados em 2018 traduzem uma diminuição de 2,1% face a 2017 (1.960 nados-vivos), ou seja menos 31 nascimentos. Das crianças nascidas neste ano, 50,3% eram do sexo feminino, representando uma relação de masculinidade à nascença de 99 ou seja, por cada 100 crianças do sexo feminino nasceram cerca de 99 do sexo masculino.

Dos nascimentos ocorridos neste ano, 55,1% ocorreram fora do casamento: 55,8% de pais que viviam em coabitação e 44,2% de pais que não viviam em coabitação. No que respeita à idade das mães, verifica-se que 35,2% dos nados-vivos eram filhos de mulheres com idade inferior a 30 anos.

As mães com idades compreendidas entre os 30 e os 34 anos foram responsáveis por 31,3% dos nascimentos averbados neste ano, não havendo registo de nados-vivos de mães com menos de 15 anos. A proporção de nados-vivos de mães com 40 ou mais anos apresentou um decréscimo, passando de 8,4% em 2017 (164 nados-vivos) para 7,5% em 2018 (143 nados-vivos). Por outro lado, os 2.730 óbitos averbados em 2018 correspondem a mais 216 óbitos (+8,6%) que em 2017 (2.514 óbitos). Da totalidade de óbitos registados, 95,2% ocorreram em indivíduos com 50 ou mais anos, sendo 64,4% em indivíduos com 75 anos de idade ou mais.

O número de óbitos variou ao longo dos vários meses do ano, atingindo o valor mais elevado no mês de Fevereiro (298 óbitos) e o valor mais baixo no mês de Julho (197 óbitos).

Refira-se ainda que no ano em referência, ocorreram 4 óbitos de crianças com menos de 1 ano (menos 3 que 2017) e 7 óbitos fetais de mãe residente na RAM (1 em 2017). Em consequência, a taxa de mortalidade infantil diminuiu e fixou-se em 2,1 óbitos por mil nados-vivos (3,6 em 2017).

Por fim, os casamentos na RAM, em 2018, realizaram-se 959 casamentos, o que representa um decréscimo de 0,3% relativamente ao ano transacto (962 casamentos). Do total de casamentos observados neste período, 98,0% foram celebrados entre pessoas de sexo oposto, sendo que os restantes celebraram-se entre pessoas do mesmo sexo (19 no total). O número de casamentos variou ao longo dos vários meses do ano, atingindo o valor mais alto no mês de Setembro (121 casamentos) e o valor mais baixo no mês de Fevereiro (39 casamentos).

Os dados revelam ainda que 68,7% dos casamentos oficializados em 2018 diziam respeito a “primeiros casamentos”. Quanto à forma de celebração, 68,6% foram realizados pelo civil e 31,2% pelo rito católico. Segundo o regime de bens, em 73,1% dos casamentos optou-se pelo regime de comunhão de adquiridos.

No país aumentaram os nascimentos, mas saldo natural foi negativo

Em Portugal, no ano passado, nasceram com vida 87.020 crianças de mães residentes em Portugal. Este valor traduz um acréscimo de 1,0% (+866 crianças) relativamente ao ano anterior. Do total de nados-vivos, 55,9% nasceram “fora do casamento”, isto é, eram filhos de pais não casados entre si.

O total de óbitos de pessoas residentes em território nacional foi 113.000, representando um aumento de 3,0% (+3 242 óbitos) comparativamente a 2017. Do total de óbitos, 56 694 foram de homens e 56 306 de mulheres; 85,5% dos óbitos respeitaram a pessoas com 65 e mais anos de idade.

Portugal teve, assim, pelo décimo ano consecutivo, um saldo natural negativo (-25 980).

Verificaram-se 281 óbitos de crianças com menos de 1 ano (+52 que os registados em 2017), próximo do valor registado em 2016.

Celebraram-se 34 637 casamentos, mais 3,0% que no ano anterior (+1 003 casamentos). Em mais de metade dos casamentos (59,8%) os nubentes possuíam residência anterior comum. 67,1% dos casamentos entre pessoas do sexo oposto celebraram-se apenas civilmente e 32,5% pela forma católica.

Redes Sociais - Comentários

Fonte
DN Madeira

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW