Madeira

Helicóptero de combate chega à Madeira com atraso

O helicóptero de combate inicial aos fogos florestais vai chegar à Madeira já depois de arrancar o plano operacional de combate do arquipélago, devido a um atraso no visto do Tribunal de Contas (TdC) criticado pelo Governo Regional.

“O atraso houve em relação à Força Aérea, porque o visto do TdC, para eles, só surgiu na quinta-feira passada. Portanto, nós já não conseguimos embarcar [a aeronave] na sexta-feira e por isso mesmo a empresa vai tratar de fazer o seu embarque no dia 14 de junho. Estará na região na altura em que nós prevíamos que estivesse [depois de comunicado o atraso no visto]”, explicou à Lusa o secretário da Saúde da Madeira, Pedro Ramos.

O helicóptero é transportado de barco, devendo chegar à região até segunda-feira.

O Plano Operacional de Combate aos Incêndios Florestais (POCIF) da Madeira, que entra em vigor no sábado, representa um investimento do Governo Regional de 1,1 milhões de euros, 600 mil dos quais adstritos ao meio aéreo.

“O meio deste ano é idêntico ao do ano passado, um HEATI, um helicóptero para actuar na fase inicial, que já no ano passado se verificou muito importante nas zonas onde o fogo apareceu, zonas inacessíveis, para fazer o tal ataque inicial e ampliado”, explicou o secretário regional.

O secretário que tutela a Protecção Civil regional criticou a demora do visto do TdC, defendendo celeridade nas decisões sobre assuntos que visam a segurança das populações.

“Neste país o Código de Contratos Públicos e o TdC não protegem o cidadão. Como não protegem, todos estes pequenos atrasos, todas estas pequenas questiúnculas que aparecem sempre na esfera do domínio público – mesmo quando se trata de assuntos que são do interesse das pessoas, da protecção das pessoas -, [mostram que] este país está, de facto, muito atrasado neste aspeto”, afirmou.

O POCIF 2019 vai vigorar entre 15 de junho e 15 de outubro, com um dispositivo de intervenção permanente, podendo vir a ser reforçado, prolongado ou antecipado caso se justifique.

O plano operacional implica, por exemplo, o reforço do pagamento por quilómetro a cada operacional das Equipas de Combate a Incêndios Florestais (ECIF), bem como a criação de mais uma ECIF nos Bombeiros Voluntários Madeirenses, de mais uma Equipa Logística de Apoio ao Combate e de uma estrutura de Comando de Coordenação e Controlo de Responsabilidade.

O helicóptero começou a ser usado no combate aos incêndios na Madeira no ano passado, depois de anos de discussão sobre a sua operacionalidade, devido aos ventos habituais da região e à orografia.

Redes Sociais - Comentários

Fonte
DN Madeira
Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER

Close
Close