Açores

Salários não aumentam nos Açores

Os salários aumentaram em quase todas as regiões do país, registando uma quebra apenas na Região Autónoma dos Açores, revela o jornal ECO online citando dados do INE. O Centro e a Área Metropolitana de Lisboa registaram as maiores subidas, ambas superiores a 4%. Lisboa é, também, a região com o rendimento médio mais elevado, de 1.032 euros no ano passado.

De acordo com os dados do INE citados por aquele jornal, o rendimento salarial médio líquido subiu 3,74% no ano passado, totalizando os 888 euros. Há também menos pessoas nos dois escalões salariais inferiores, abaixo dos 600 euros. Não só a taxa de desemprego caiu e a criação de postos de trabalho aumentou no ano passado, como os salários aumentaram em 2018 a um ritmo mais acelerado do que se tem verificado nos últimos anos.

Em 2018, segundo os dados divulgados Quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o rendimento salarial médio dos trabalhadores por conta de outrem aumentou quase 4% face a 2017.

Ao mesmo tempo, há menos pessoas nos dois escalões salariais inferiores, abaixo dos 600 euros.

A nível nacional, o rendimento salarial médio mensal líquido dos trabalhadores por conta de outrem foi de 888 euros no ano passado, o que representa uma subida de 3,74% em relação ao rendimento médio de 856 euros que se registava em 2017.

Este é o crescimento mais acelerado desde 2011, ano em que a subida foi de 3,8%. A acompanhar a evolução dos salários, há menos pessoas a ganharem salários mais baixos.

No ano passado, do total de cerca de quatro milhões de pessoas empregadas por conta de outrem, 109,5 mil recebiam menos de 310 euros e outras 848,8 mil recebiam entre 310 e 600

euros — que, no início deste ano, passou a ser o salário mínimo nacional.

Significa isto que, no ano passado, a proporção de trabalhadores por conta de outrem a receberem abaixo de 600 euros caiu para 23,6%, ou seja, menos de um quarto do total. Em 2017, esta proporção era de 28%. Por outro lado, está a aumentar o número de pessoas com salários mais elevados.

A maioria dos trabalhadores por conta de outrem mantém-se no escalão de 600 a 900 euros mensais, num total de 1.369 trabalhadores (o equivalente a 33,8% do total, mais do que os 31,5% registados em 2017).

Já o número de trabalhadores a ganhar entre 900 e 1.200 euros aumentou para 533,7 mil (13,2% do total, acima dos 12,8% registados no ano anterior), enquanto as pessoas a ganharem entre 1.200 e 1.800 euros passaram a ser 514,4 mil (12,7% do total, acima dos 12,1% registados em 2017).

Contam-se ainda 141,3 mil pessoas a ganhar entre 1.800 e 2.500 euros por mês, 29,3 mil com um rendimento de 2.500 a 3.000 euros e outras 37,6 mil a ganharem mais de 3.000 euros.

Redes Sociais - Comentários

Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER

Close
Close