Açores

Região na eminência de entrar na fase de mitigação da Covid-19

Os Açores estão na eminência de entrarem na fase de mitigação da Covid-19. Isso mesmo foi confirmado ontem por Tiago Lopes, Director Regional de Saúde, na habitual conferência de imprensa que serve para dar conta da evolução do surto do novo coronavírus na Região. Como explicou a propósito, “toda a preparação que temos vindo a fazer é precisamente para antever a entrada na fase de mitigação”, adiantando que “ainda não estamos nesta fase” [mitigação], mas “o nível de alerta e de resposta que está previsto para entrar no nível da fase de mitigação pressupõe transmissão local em ambiente fechado e, portanto, estamos a averiguar todos os casos positivos que tivemos de forma a apurar esta situação”. De acordo com este responsável, foi para evitar a “entrada de forma tão veemente na fase de transmissão comunitária” que foi decretado o cordão sanitário em todos os concelhos da ilha de São Miguel para que “evitemos a disseminação e propagação do Covid-19 e passemos a uma transmissão comunitária, o que não quer dizer que ela não possa estar já na eminência de surgir,” frisou.

Ainda assim, Tiago Lopes esclareceu que não há novas cadeias de transmissão local nos Açores para além das quatro já existentes. “Neste momento, na Região Autónoma dos Açores não temos transmissão comunitária”, o que existe são “quatro cadeias de transmissão local, sendo uma cadeia de transmissão local primária na ilha do Pico, outra também primária na ilha Terceira, na freguesia de São Mateus, uma cadeia de transmissão local primária no concelho da Povoação que levou a uma outra cadeia de transmissão secundária”.

Nas duas cadeias de transmissão primária detectadas na Povoação, uma está relacionada com uma viagem ao exterior de Região de um grupo de pessoas de várias localidades daquele concelho, enquanto a outra foi originada através de um cidadão estrangeiro, que já estava infectado, que esteve alojado numa unidade hoteleira na Povoação e que depois infectou um dos residentes daquele concelho que, por sua vez, também infectou o seu agregado familiar, fazendo assim a primeira cadeia de transmissão primária. Posteriormente, dois destes elementos acabaram por infectar outros três cidadãos levando à cadeia de transmissão secundária que passou do concelho da Povoação para o de Ponta Delgada.

No dia de ontem foram diagnosticados seis novos casos positivos de Covid-19 na Região, de acordo com análises realizadas nos dois laboratórios de referência dos Açores, localizados em Angra do Heroísmo e Ponta Delgada. Três destes casos estão relacionados com a cadeia de transmissão local detectada, tratando-se de três indivíduos do sexo feminino, de 23, 45 e 48 anos, profissionais de saúde.

Também na ilha Terceira, registaram- se dois novos casos, sendo um indivíduo do sexo feminino, de 50 anos, e um indivíduo do sexo masculino, de 25 anos, na sequência de contacto com um caso positivo. O outro caso positivo foi registado na ilha Graciosa e trata-se de um indivíduo do sexo feminino, de 58 anos, do mesmo agregado familiar dos dois casos reportados Quarta-feira que, entretanto tiveram que ser transferidos para o hospital do Santo Espírito na Ilha Terceira por agravamento do seu estado clínico.

De acordo com a Autoridade de Saúde Regional, todos os novos casos apresentam situação clínica estável e estão, de momento, no domicílio e estão a ser acompanhados pelas Delegações de Saúde Concelhias, estando em curso os procedimentos definidos para caso confirmado e de vigilância de contactos próximos.

Até à data, foram detectados na Região 63 casos positivos para infecção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença Covid-19, sendo 28 em São Miguel (16 de Ponta Delgada, 9 no concelho da Povoação, 1 no concelho da Ribeira Grande, 1 no concelho de Lagoa e 1 no concelho de Nordeste), 11 na ilha Terceira (5 em Angra do Heroísmo e 6 na Praia da Vitória), 9 no Pico (4 na Madalena do Pico e 5 em São Roque do Pico), 7 em São Jorge (5 no concelho das Velas e 2 na Calheta), 5 no Faial e 3 na Graciosa (Santa Cruz).

Às 16h00 de ontem estavam em vigilância activa, em todas as ilhas dos Açores, 2754 pessoas que estão a ser seguidas diariamente pelas delegações de saúde concelhias.

Actualmente estão 14 pessoas internadas nos três hospitais da Região, oito no Hospital do Santo Espírito, na ilha Terceira, estando três em situação crítica na unidade de cuidados intensivos, dois no Hospital da Horta, ilha do Faial e quatro no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, sendo que dois destes pacientes também se encontram em situação crítica. Os restantes 49 casos positivos estão em contexto domiciliário (24 em São Miguel, 5 em São Jorge, 8 na Terceira, 7 no Pico, 4 no Faial e 1 na Graciosa) e apresentam situação clínica estável.

Quanto aos profissionais de saúde que estão infectados, Tiago Lopes esclareceu que os três primeiros casos positivos, ao contrário do que havia referido, não foram infectados em contexto laboral mas sim noutras circunstâncias. O que aconteceu, explicou, foi que dois destes profissionais acabaram por estar a trabalhar já infectados e fazem parte de uma cadeia da transmissão da Povoação e que levaram à cadeia de transmissão secundária. Por este facto, o Director Regional adiantou que foram efectuados testes a outros profissionais de saúde e a doentes que estiveram em contactos com aqueles casos positivos “no sentido de vermos os danos que, eventualmente, poderiam ter implicado esta interacção social e em contexto laboral por parte destes dois cidadãos”. Tiago Lopes adiantou ainda que neste momento existem oito profissionais de saúde infectados pelo novo coronavírus, sendo que alguns foram infectados por outras vias que não em contexto laboral.

Diário dos Açores

Redes Sociais - Comentários

Fonte
Diário dos Açores

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW