Açores

Novo presidente avisa que “reestruturação vai doer” no grupo SATA

O deputado do PSD/Açores António Vasco Viveiros afirmou ontem que a SATA não pode ter um presidente do conselho de administração em “part-time”, alegando que a “situação de emergência” em que se encontra a companhia aérea exige uma “dedicação a tempo inteiro”.

“Durante a audição do indigitado presidente do Grupo SATA, questionado se passaria a residir nos Açores, foi com absoluta surpresa que ficamos a saber que até ao Verão o dr. Luís Rodrigues tem compromissos académicos que o impedem de dedicar-se em pleno à gestão da companhia aérea. Ou seja, a SATA vai ter um presidente em part-time nos próximos meses”, afirmou o social- democrata, após uma audição do novo administrador na Comissão de Economia.

Para o parlamentar, “é inaceitável que, perante a situação de emergência em que se encontra a SATA, o novo titular tenha simultaneamente outros compromissos profissionais, que impedem a sua dedicação a tempo inteiro na solução dos graves problemas da empresa”.

António Vasco Viveiros manifestou ainda preocupação com a “absoluta ausência de respostas” da parte de Luís Rodrigues à generalidade das questões colocadas, “resguardando- se no desconhecimento da situação da empresa”.

“Durante a audição constatou- se que nem o Governo Regional transmitiu orientações consistentes, designadamente a necessidade de celebrar um contrato de gestão, nem o dr. Luís Rodrigues se comprometeu com qualquer medida, estratégia, ideia ou resultado, para além das generalidades de melhorar o serviço e de caminhar para o reequilíbrio da empresa”, disse.

Medidas de reestruturação “vão doer”

O novo presidente da SATA indigitado admitiu, na audição parlamentar na cidade da Horta, que as medidas de reestruturação da empresa vão “doer”, mas não esclareceu a quem.

“A empresa tem uma série de problemas estruturais graves. O seu modelo de negócio não é sustentável”, reconheceu o novo administrador, ouvido pelos deputados da Comissão de Economia da Assembleia Regional, adiantando que, perante este cenário, são necessárias “medidas estruturais marcantes que, além de doer, vão demorar tempo”.

Quando questionado pelos deputados, Luís Rodrigues escusou-se a dizer se se referia aos trabalhadores do Grupo SATA ou eventualmente aos quadros intermédios da empresa, sendo certo que o Governo Regional já tinha anunciado que é preciso reduzir os custos com pessoal para apenas 18% do volume total de facturação da empresa.

O novo administrador falou também das contas da companhia aérea açoriana, que tem apresentado sucessivos resultados negativos, para dizer que é possível “equilibrar” os números, com base no crescimento do turismo, no aumento do poder de compra da classe média e no mercado da diáspora.

O novo presidente da SATA indigitado revelou também que a única imposição que colocou ao Governo para aceitar o cargo, foi a de ter “carta branca” para escolher os restantes membros do conselho de administração, escusando-se, por outro lado, a revelar qual o vencimento que irá auferir nestas novas funções.

Os jornalistas contavam também poder interrogar o novo presidente da SATA, mas, à saída da reunião, Luís Rodrigues disse que só falava à comunicação social depois de tomar posse.

Os partidos da oposição que participaram nesta audição não esconderam, no final, o seu desagrado por o novo presidente indigitado não ter respondido a muitas das questões levantadas pelos deputados.

Paulo Estêvão, do PPM, esperava ouvir mais pormenores sobre a reestruturação da empresa e não apenas “respostas vagas” como aquelas que obteve de Luís Rodrigues: “eu coloquei um conjunto variado de questões, mas o senhor não me respondeu!”.

A deputada independente Graça Silveira entendeu que a audição a Luís Rodrigues deixou muitas dúvidas aos deputados, sobretudo quando disse que o processo de reestruturação iria “doer”, sem esclarecer o que pretendia dizer com isso.

Pelo Bloco de Esquerda, António Lima disse esperar que não sejam os trabalhadores da SATA os principais visados pelas declarações do novo presidente da empresa, recordando que os maus resultados financeiros “são culpa da má gestão” da companhia e não do seu quadro de pessoal.

Por seu lado, o socialista Carlos Silva considerou que a oposição não tem razões para criticar, recordando que Luís Rodrigues respondeu, durante uma hora e meia de audição, a todas as perguntas colocadas pelos deputados. “Essa crítica não coincide com o que se passou lá dentro”, afirmou.

O novo administrador da SATA vai substituir no cargo António Luís Teixeira, que apresentou uma plano de reestruturação financeira da companhia aérea, que não terá sido aceite pelo Governo Regional, situação que terá originado a sua demissão.

De acordo com o relatório de contas do primeiro semestre de 2019, o Grupo SATA está a atravessar graves dificuldades económicas, registando prejuízos de 26,9 milhões de euros na SATA Internacional e de 6,6 milhões na SATA Air Açores, em apenas seis meses.

Diário dos Açores

Redes Sociais - Comentários

Fonte
Diário dos Açores
Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

VOTE JÁ

Faça a sua nomeação

Close
Close