Açores

NATO faz hoje 70 anos

Base das Lajes foi determinante

“Portugal foi convidado a integrar a NATO pela importância estratégica da Base das Lajes, nos Açores, para os norte-americanos”, afirma Daniel Marcos, historiador do Instituto de Políticas e Relações Internacionais, a propósito dos 70 anos da NATO, que hoje se assinala.

“Foi uma situação excepcional, num grupo de países que partilhava valores democráticos. Veja-se como foi recusada a adesão da Espanha, que vivia a ditadura de Franco e apenas integrou a NATO em 1982”, complementou Carlos Gaspar, investigador de Relações Internacionais da Universidade Nova de Lisboa.

Para estes analistas, a adesão de Portugal à NATO, em 1949, constituiu uma legitimação internacional do regime salazarista. “Foi bom para o regime e mau para a oposição, que via a ditadura ser reconhecida pela comunidade internacional”, explicou Daniel Marcos.

O historiador mencionou ainda as resistências que se declararam por parte de países como a Noruega, que não aceitaram de bom grado a presença de um membro que não possuía um regime democrático e que não partilhava dos valores fundamentais da organização.

A desconfiança aumentou ainda mais quando Portugal se envolveu na guerra colonial, em África, com a NATO a exigir ao governo de António Salazar que não utilizasse material militar fornecido às Forças Armadas no âmbito da NATO nas missões bélicas em África. Mas a NATO teria um efeito positivo na estabilização da democracia em Portugal, após a revolução de 25 de Abril de 1974, pela influência que teve na profissionalização e organização da estrutura militar que ajudou a implementar o novo regime.

Durante o Período Revolucionário em Curso (PREC), os receios dos restantes membros da NATO prenderam- se com a presença de elementos do Partido Comunista nos governos dos primeiros anos de democracia, temendo que a sua ligação próxima com o Kremlin pudesse servir para passar informação de operações da NATO para o exército soviético, explicou Daniel Marcos.

Mas nos anos seguintes, diz o historiador, a presença de Portugal na NATO serviu para “levar os militares de volta aos quartéis”, no âmbito da função primordial das Forças Armadas na organização internacional. Nas últimas décadas, a NATO tem tido um papel útil para Portugal, ao pressionar o recentramento da estratégia europeia para o Atlântico e para ocidente, segundo Tiago Moreira de Sá, analista de política internacional do Instituto de Políticas e Relações Internacionais da Universidade Nova de Lisboa.

Redes Sociais - Comentários

Fonte
Diário dos Açores
Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER

Close
Close