Açores

Exportações complicam vida da economia portuguesa até 2021

O crescimento da economia portuguesa foi revisto em baixa relativamente a este ano e o próximo e o País deve perder fulgor até 2021, sobretudo por causa da procura externa mais incerta e fraca, antevê o Banco de Portugal (BdP) no boletim económico do Inverno, divulgado ontem. Em vez de crescer 2,3% (como estimava o BdP no Verão), a economia deve avançar 2,1% em 2018. O Governo, no Orçamento do Estado de 2019 (OE2019) revelado em Outubro, também estava a contar com 2,3%.

No ano que vem, a revisão em baixa é marginal (menos uma décima do que
há seis meses): a economia deve crescer assim 1,8% em vez de 1,9%. O OE2019 assenta no pressuposto de que a actividade interna vai crescer mais (2,2%). O Banco de Portugal também vê incertezas maiores sobre o andamento das exportações e refere este fenómeno como o principal atrito para a retoma da economia nos próximos três anos.

“A economia portuguesa deverá prosseguir uma trajectória de crescimento da actividade, embora em desaceleração, no horizonte 2018-21, em linha com as projecções para o mesmo período publicadas para o conjunto da área do euro pelo Banco Central Europeu (BCE).” O produto interno bruto (PIB) deve crescer “2,1% em 2018, 1,8% em 2019, 1,7% em 2020 e 1,6% em 2021”.

“Os valores para o horizonte 2018-19 implicam um crescimento ligeiramente inferior do PIB em 2018 e 2019 face às estimativas divulgadas nos boletins económicos de Junho e Outubro, essencialmente devido a uma revisão em baixa do crescimento das exportações, que reflecte a revisão das hipóteses relativas à evolução da procura externa e a incorporação da informação mais recente”, diz o Banco. “O enquadramento externo está na origem dos principais factores de risco e incerteza que rodeiam a actual projecção, contribuindo para riscos descendentes para a actividade e ligeiramente ascendentes para a inflação”, acrescenta o novo estudo.

Só para se ter uma noção, em Junho, o Banco de Portugal calculava que as exportações totais de Portugal pudessem aumentar 5,5% e 4,6% no próximo. Já não deve ser assim: as novas contas dizem 3,6% e 3,7%, respectivamente. Em 2019, o governo está à espera de uma
expansão superior, à volta de 4,6%.

Ainda segundo o BdP, a subida do investimento fixo total (novo investimento, privado e público) será mais fraca este ano, mas mais forte em 2019, comparando com as projecções do Verão. Deve rondar os 3,9% em 2018, acelerando para 6,6%. Há seis meses, o BdP dizia 5,8% e 5,5%, respectivamente.

“Durante o período de recuperação iniciado em 2013, observou-se uma recuperação da Formação Bruta de Capital Fixo [FBCF, investimento novo] empresarial mais significativa do que as restantes componentes do investimento e um aumento do peso das exportações no PIB, com destaque para o aumento da relevância do turismo” e “as actuais projecções têm subjacente a continuação destas tendências, consistentes com um perfil de crescimento mais sustentável da economia portuguesa”, escreve o Banco governado por Carlos Costa.

Neste cenário, o desemprego desce, mas mais devagar. “Após um crescimento muito dinâmico em 2017, o emprego deverá retomar, em média, no horizonte de projecção, uma evolução mais em linha com a sua relação histórica com a actividade, o que permitirá a continuação de uma trajectória descendente da taxa de desemprego, embora mais
moderada do que nos anos recentes. A taxa de desemprego deverá situarse em 5,3% no final do horizonte de projecção”.

Em 2019, a taxa de desemprego cai para 6,2% da população activa. Aqui, o governo até é ligeiramente menos optimista. O OE2019 está feito para um nível de desemprego na ordem dos 6,3%.

Redes Sociais - Comentários

Mostrar mais

Artigos relacionados

Back to top button

 

Quer receber a edição semanal e as newsletters editoriais no seu e-mail?

 

Mais próximo. Mais dinâmico. Mais atual.
www.mileniostadium.com
O mesmo de sempre, mas melhor!

 

SUBSCREVER

Close
Close