Açores

Aumento de preço nos fretes marítimos vai reflectir-se no consumidor final

Uma nova taxa sobre o combustível nos cargueiros que fazem os fretes marítimos está a deixar os empresários açorianos “muito preocupados” e apelam a uma revisão do modelo de transportes marítimos de carga na região. Por cada aumento do preço do metro cúbico, que poderá ter um impacto de 1% sobre o custo das mercadorias, o Presidente da Câmara do Comércio e Indústria de Angra do Heroísmo, Rodrigo Rodrigues, estima que se reflicta no consumidor final. O líder dos empresários, entrevistado pelo “Diário dos Açores”, deixa ainda no ar uma pergunta: “Qual é a estratégia do Governo Regional para o porto da Praia da Vitória?”.

O aumento dos fretes marítimos para os Açores vai refletir-se nos bolsos dos açorianos?

Vai, a menos que haja algum tipo de ajuda para compensar o aumento, que pode chegar a cerca de 16% no custo total de um contentor.

É impossível que as empresas absorvam esse aumento sozinhas, não é razoável nem competitivo.

Da mesma forma que os armadores, obrigados a utilizar um combustível mais caro, passaram esse aumento para os seus clientes, o normal é acontecer o mesmo até chegar ao consumidor final.

A Câmara do Comércio de Angra continua preocupada com o atual sistema de transportes marítimos? O que tem de mudar?

O modelo tem de ser alterado, por forma a termos melhor preço, mais frequência e rapidez.

Em muitas ilhas o circuito demora quase uma semana em cada sentido, e ainda sujeito a uma taxa de incumprimento nos horários muito elevada.

É perfeitamente possível encontrar- se um modelo mais equilibrado para todas as ilhas, pode é ter alguns custos, que devem ser assumidos pelo Estado, em forma de OSPs.

Para nós o que importa agora é uma decisão política de se alterar o modelo, depois tem de haver uma discussão técnica sobre o tema, com todos os intervenientes.

Nas acessibilidades aéreas, tem expectativas de que se verifiquem melhorias este ano para a Terceira? Como estão a viver as actividades ligadas ao turismo com a enorme quebra no sector?

Os números to turismo para a Terceira estagnaram nos últimos 2 anos, o que foi um revés muito grande nas expectativas do mercado, principalmente para quem decidiu investir no sector.

Este ano aguardamos algumas melhorias, desde logo com o início da operação de Toronto no Inverno.

Temos também um voo semanal de Londres com a Ryanair que se inicia a 1 de Abril, e ainda aguardamos pela definição do voo de Espanha, que poderá acontecer ainda em 2020, mas que tanto quanto sei, não está nada definido.

Ficou-se a saber que, afinal, o GNL na Praia da Vitória foi substituído pelo Governo da República por um investimento na ferrovia. Como reage a Câmara do Comércio?

Só temos uma questão neste momento, e achamos que os terceirenses têm direito a resposta: Qual é a estratégia do Governo Regional dos Açores para o porto da Praia da Vitória?

Diário dos Açores

Redes Sociais - Comentários

Fonte
Diário dos Açores

Artigos relacionados

Back to top button

DONATE NOW